Temer faz nova investida para ter Mariz no governo

Temer faz nova investida para ter Mariz no governo

Presidente quer criminalista, que já foi cotado para a pasta da Justiça, em assessoria para assuntos penitenciários; advogado estuda convite

Fausto Macedo

04 de março de 2017 | 00h30

Michel Temer e Antônio Claudio Mariz de Oliveira. FOTOS: DIDA SAMPAIO E KEINY ANDRADE/ESTADÃO

Michel Temer e Antônio Claudio Mariz de Oliveira. FOTOS: DIDA SAMPAIO E KEINY ANDRADE/ESTADÃO

Consultado pelo presidente Michel Temer, que o quer em sua equipe – na função de assessor especial para Assuntos Penitenciários –, o criminalista Antônio Claudio Mariz de Oliveira deve passar o fim de semana estudando a proposta. Até esta sexta-feira, 3, porém, não parecia propenso a aceitar o cargo. Ele chegou a ser cotado para a Justiça, no lugar de Alexandre de Moraes.

Os dois se encontraram na noite de quinta-feira, 2, em uma sala na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na Avenida Paulista.

Temer chegou para a reunião depois de passar por uma consulta no dentista, onde se encontrou com outro amigo, o também advogado José Yunes. Em depoimento à Procuradoria-Geral da República, Yunes revelou ter recebido, em 2014, ligação do atual ministro-chefe licenciado da Casa Civil, Eliseu Padilha, que teria pedido para que ele recebesse uma “encomenda” em seu escritório em São Paulo. A “encomenda” chegou pelas mãos do doleiro Lúcio Funaro, apontado como operador do deputado cassado Eduardo Cunha.

Presídios. Depois da conversa com Yunes, Temer foi até a Fiesp onde, durante mais de uma hora, deixou claro a Mariz que uma de suas prioridades é encontrar soluções para o caos no sistema prisional – palco de atrocidades no início do ano no Amazonas, em Roraima e no Rio Grande do Norte.

O presidente disse que a assessoria terá total independência e que dará ampla cobertura a medidas que Mariz entender necessárias. Com larga experiência na área, o criminalista é apontado como o nome certo para assessorar o presidente em temas penitenciários.

Apesar de honrado com o convite, Mariz fez algumas considerações a Temer. Uma delas: ele teria de permanecer em Brasília por ao menos dois dias da semana, o que o levaria a deixar o tradicional escritório que mantém com 12 advogados.

Como assessor, Mariz teria ainda de cuidar da estruturação do setor, ir atrás de recursos. Não agrada o criminalista o fato de aceitar uma missão com prazo escasso para ser executada, menos de dois anos. Ele avalia que o tempo não seria suficiente para apresentar resultados.

Outro detalhe que incomoda o advogado é que o cargo seria remunerado, o que ele não quer.
Alternativa. Na conversa com o presidente, o advogado pensou numa alternativa, como a criação de um comitê informal para planejamento e reforma do sistema penitenciário, mas sem que ele tivesse vínculo com o governo.

Mariz disse que não pretende atuar como uma espécie de “conselheiro” do presidente para a política. “Eu me disponho a ficar sempre do lado do Michel, conversar, dar palpites. Somos amigos há pelo menos 40 anos, mas ele não comentou nada sobre isso comigo”, afirmou.

Segundo Mariz, o presidente foi incisivo e garantiu que está muito preocupado com a situação nos presídios. “Não podemos ficar inertes, aguardando a próxima tragédia”, disse o advogado a Temer.

“A sensibilidade do Michel é total para o problema”, afirmou Mariz. “Verifiquei uma grande preocupação do presidente em relação ao sistema penitenciário brasileiro e um desejo expresso de encaminhar soluções, por entender que a situação não pode perdurar. Ele entende que medidas práticas têm de ser tomadas pelo governo, mas com efetiva colaboração de setores da sociedade.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: