Temer e o porto

Temer e o porto

Nove das 82 perguntas que a Polícia Federal encaminhou ao presidente tratam de uma área emblemática da economia do País sobre a qual peemedebista teria influência

Julia Affonso, Fausto Macedo, Luiz Vassallo e Fábio Serapião

07 de junho de 2017 | 13h34

Porto de Santos. Foto: José Patrício/Estadão

Se for responder às perguntas da Polícia Federal no inquérito da Operação Patmos – 82 indagações ao todo -, o presidente Michel Temer terá que se manifestar sobre uma área estratégica para a economia do País e sobre a qual ele exerceria influência.

“Vossa Excelência tem relação de proximidade com empresários atuantes no segmento portuário, especialmente de Santos/SP?”, é a pergunta 54.

A indagação revela uma das linhas de investigação da PF, que põe o presidente sob suspeita de corrupção passiva, organização criminosa e obstrução da Justiça.

Essa parte da Operação Patmos tem base na delação do executivo Ricardo Saud, diretor de Relações Institucionais da J&F, que controla a JBS. E também nos grampos da PF que pegaram o homem da mala Rodrigo Rocha Loures – ex-assessor especial de Temer flagrado com R$ 500 mil em propinas da JBS – e o empresário Ricardo Mesquita, da Rodrimar, que detém forte atuação no porto de Santos.

Em uma interceptação, o executivo e o ex-assessor – preso em Brasília desde sábado, 3 -conversam até sobre a reforma da Previdência.

“Vossa Excelência conhece Antônio Celso Grecco, proprietário do Grupo Rodrimar, de Santos/SP? Qual relação mantém com ele?”, questionam os delegados Thiago Delabary e Marlon Cajado.

A PF deixa claro uma de suas metas. “Vossa Excelência já recebeu alguma contribuição financeira para fins eleitorais de Antônio Celso Grecco, da empresa Rodrimar ou de alguma outra empresa a ela vinculada? Quando e qual o valor?”

Em seguida, na pergunta 50. “Vossa Excelência recebeu alguma reivindicação dessa empresa, ou de outra igualmente atuante no segmento de portos, relacionada à questão do ‘pré-93’? Se sim, em que termos?”
A PF quer saber se o presidente ‘tem conhecimento se Rodrigo da Rocha Loures recebeu alguma reivindicação da Rodrimar ou de outra empresa igualmente atuante no segmento de portos, relacionada a esse tema’.

A PF aborda o pré-93, projeto que autoriza a renovação de contratos de arrendamento no porto por mais 35 anos. Os delegados perguntam a Temer. “Rodrigo da Rocha Loures chegou a demonstrar a Vossa Excelência interesse pela questão do ‘pré-93′?”

“Rodrigo da Rocha Loures tem alguma relação com empresas do setor portuário?”

Adiante, os delegados insistem. “Conhece Ricardo Mesquita vinculado à Rodrimar? Que relação mantém com tal pessoa?”

Os federais querem saber, também, se Loures comunicou Temer sobre o fato de ter encontrado Ricardo Mesquita, da Rodrimar, no mesmo dia e local em que esteve reunido com Ricardo Saud. “Qual o propósito do encontro com Ricardo Mesquita?”, questiona a PF.

Tendências: