Temer diz que se encontrou com presidente da Rodrimar ’em festa de aniversário’

Temer diz que se encontrou com presidente da Rodrimar ’em festa de aniversário’

No interrogatório por escrito que respondeu à PF, presidente afirma que 'nunca tratou de concessões' com empresário Antônio Celso Grecco

Amanda Pupo, Carla Araújo, Rafael Moraes Moura e Fábio Serapião/BRASÍLIA

18 Janeiro 2018 | 17h00

Michel Temer. Foto: Gabriela Biló/Estadão

Em resposta às perguntas elaboradas pela Polícia Federal na investigação que apura um suposto esquema de corrupção no Porto de Santos, o presidente Michel Temer confirma que conhece Antônio Celso Grecco, presidente do grupo Rodrimar, e também um dos investigados no inquérito que apura se o grupo que opera no Porto de Santos foi beneficiado pelo decreto assinado pelo emedebista em maio do ano passado – a norma ampliou de 25 anos para 35 anos as concessões do setor, prorrogáveis por até 70 anos.

Leia o que Temer respondeu a cada pergunta da PF

Temer critica “agressividade” e ausência de “isenção” em perguntas da PF

Documento

Além do presidente e Grecco, seu ex-assessor, Rodrigo Rocha Loures e o diretor da empresa, Ricardo Conrado Mesquita, são investigados.

Temer afirma em resposta que já esteve com o presidente da Rodrimar, Grecco, em ‘duas ou três oportunidades’, no entanto diz que nunca tratou de concessões para o setor portuário com ele.

“Encontrei-me com o sr. Antônio Celso Grecco em uma festa de aniversário de um amigo comum. Nenhum pedido me foi formulado por ele, nem nesta e nem em ocasião nenhuma”, esclarece Temer, quando perguntado se encontrou-se com o presidente da Rodrimar fora do ambiente de trabalho, e se Grecco havia feito algum pedido a ele de interesse do grupo Rodrimar.

Em uma das manifestações de Grecco durante o processo de investigação que tramita no Supremo, a defesa do presidente da Rodrimar afirmou que uma amizade entre ele e Temer é ‘inexistente’.

“Ocorre, data máxima vênia, que a mera alusão – falsa, por sinal – de que Celso seria amigo de longa data de Temer não é motivo para se colocar sob suspeita um decreto constituído com intensa participação e articulação de todo o setor portuário”, diz trecho da peça, do dia 12 de setembro de 2017.