Tecnologia e setor de construção civil: a retomada de ganhos em 2021

Tecnologia e setor de construção civil: a retomada de ganhos em 2021

Otávio Pepe*

08 de dezembro de 2020 | 04h00

Otávio Pepe. FOTO: DIVULGAÇÃO

Será que todas os mercados emergentes de construção e infraestrutura estarão preparados para a retomada do pós-pandemia? Levando em consideração que a pandemia provocada pela Covid-19 ainda está longe de acabar e que o mundo espera uma vacina para retomar seu processo, fica evidente que apesar de parecer um passo distante, precisamos retomar e aquecer o mercado.

Esperamos que em 2021 esta demanda seja retomada pelo mercado e que até o final do ano de 2021, tenhamos revertido o resultado de 2020. O mercado de construção não parou por completo, mas percebemos um retrocesso geral em todos os setores durante esse período difícil que vivemos.

Empresas do nosso setor de tecnologia, aliadas a construção civil e arquitetura, tomaram algumas medidas, como por exemplo a adequação dos contratos de trabalho, para a manutenção dos colaboradores mais experientes para a garantia da qualidade dos serviços prestados.

O Governo também ajudou com benefícios, como o adiamento de impostos, para adequação do fluxo de caixa. Afinal, um retrocesso era inevitável, mas precisávamos correr contra o tempo para buscar alternativas. A adequação das cobranças documentais dos fornecedores, para atendimento à legislação provisória, foram observadas com cautela para que os frutos futuros fossem promissores.

É evidente ressaltar que, além da pandemia em 2020, também tivemos o início da vigência da Lei da LGPD, Lei Geral de Proteção de Dados, a qual muitas empresas já estavam adaptadas e inclusive com certificação ISO 27.001.  A Lei veio para adequar ainda mais o mercado nacional ao internacional e nos deixar a par das necessidades de segurança com os dados.

O mercado deve estar otimista, pois já possui excelentes projetos para 2021 e, assim, retomar contratos e parcerias entre seus antigos e novos clientes. Claro que a manutenção dos protocolos de isolamento e medidas de proteção individual para o combate à Covid-19 irão continuar muito assíduas no próximo ano. O trabalho pelo setor híbrido e o home office promovem colaboradores cada vez mais produtivos, já que se adequaram neste ano no modelo adotado e estão trabalhando mais descansados e produtivos.

Resta ao mercado aproveitar esse período final de 2020 para reforçar os treinamentos técnicos e de qualidade, além de apostar em mão de obra qualificada, dando oportunidades de empregos. Acreditamos que em 2021, seja um ano de retomada da economia e que em 2022, o crescimento continue.

*Otávio Pepe é diretor Brasil da Clever Global

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.