TCU bloqueia bens de nove gestores suspeitos por bolsas fraudulentas da UFPR

Decisão da Corte de Contas atinge investigados da Operação Research; para ministra Ana Arraes 'evidências são de completa incompatibilidade entre as bolsas de pesquisa e a qualificação dos favorecidos'

Fábio Fabrini, de Brasília

22 de fevereiro de 2017 | 21h01

Tribunal de Contas da União

Tribunal de Contas da União

O Tribunal e Contas da União (TCU) bloqueou nesta quarta-feira, 22, os bens de nove gestores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), suspeitos de envolvimento em desvio de recursos de auxílios e bolsas de estudos. A Corte também abriu 27 tomadas de contas especiais (TCEs), processos para confirmar o valor e a responsabilidade por prejuízos causados à União, visando eventual ressarcimento.

Na quinta-feira, 15, em parceria com o tribunal, a Polícia Federal cumpriu, na Operação Research, mandados de prisão contra investigado por participação o suposto esquema. Foram identificados 27 beneficiários de pagamentos que não tinham qualquer vínculo com a instituição de ensino e tampouco preenchiam os requisitos para recebê-los. Os valores desembolsados de forma fraudulenta, entre marco de 2013 e outubro de 2016, alcançam R$ 7,3 milhões.

A maioria dos beneficiários não tinha curso superior, tampouco estava cursando qualquer curso universitário. Alguns deles não estava formada nem sequer no ensino fundamental e exercia atividades que não exigem graduação, como de cabelereiro, motorista de caminhão, ajudante de chofer, pedreiro e faxineiro.

“Invariavelmente, as evidências são de completa incompatibilidade entre as bolsas de pesquisa e a qualificação dos favorecidos”, escreveu a ministra Ana Arraes, relatora do processo, em seu voto.

A decisão de tornar indisponível o patrimônio dos gestores, inicialmente por um ano, é para resguardar futura devolução das perdas à União. Entre os alvos da medida estão ex-pró-reitores e outros funcionários da universidade. O valor dos bloqueios varia conforme o gestor, de R$ 242 mil a R$ 7,3 milhões. Corresponde à responsabilidade de cada um na concessão das bolsas fraudulentas.

Tudo o que sabemos sobre:

TCUUFPR

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.