Tatu Tênis Clube

Tatu Tênis Clube

Era o manual de atuação das integrantes do cartel de grandes empreiteiras nas obras de metrôs e monotrilhos de 7 Estados e do DF, revela a Camargo Corrêa em acordo de leniência com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica

Luiz Vassallo

18 de dezembro de 2017 | 16h47

Em acordo de leniência, executivos da Camargo Corrêa reconheceram em documentos apreendidos na Operação Lava Jato um manual do regulamento do cartel de empreiteiras em grandes obras em 7 Estados e no DF. Entre os papeis há um que chama a atenção dos investigadores, intitulado ‘Tatu Tênis Clube’, encontrado pela Polícia Federal em 2016, na casa do ex-presidente da Odebrecht Construtora S.A, Benedicto Júnior, o ‘BJ’.

Nos papeis constam nomes de cinco tenistas famosos que, segundo os executivos, correspondem às empreiteiras que supostamente integraram o cartel.

A Camargo Corrêa confessou crimes de cartel em 21 licitações em 7 Estados e no Distrito Federal, durante longos 16 anos, no período entre 1998 e 2014. O acordo foi firmado no âmbito da Operação Lava Jato e as negociações envolveram o Ministério Público Federal em São Paulo. O Cade abriu processo administrativo para apurar os crimes do cartel.

Em março de 2016, no âmbito da Operação Acarajé – Lava Jato 23 – a Polícia Federal apreendeu com o presidente da Odebrecht Infraestrutura Benedicto Barbosa, o’BJ’, hoje delator, um documento intitulado ‘Tatu Tênis Clube’.

À época, investigadores já desconfiavam de que o documento seria uma espécie de regulamento do cartel das empreiteiras.

Segundo o Cade, em acordo de leniência, Camargo Corrêa e as pessoas físicas signatárias ‘interpretam que tal documento
aparentemente continha regras de organização do cartel envolvendo cinco empresas, que são representadas por cinco executivos’.


Além da Camargo, são citadas outras gigantes do setor, Odebrecht, Andrade Gutierrez, OAS e Queiroz Galvão.

Apreendido na casa de ‘BJ’, em 2016, o ‘Tatú Tenis Clube – TTC’ teria sido criado em fevereiro de 2004. Nos papéis, constavam os nomes de cinco tenistas, que, segundo a Camargo Corrêa, são referência a empresas que integram o cartel – ‘Guga’, ‘Beker’, ‘Koock’, ‘Kirmyer’ e ‘Oncins’.

A regra 1, que conta no documento é ‘O TTC concorda que o esporte nacional vem deteriorando-se bastante e que é fundamental trabalharem conjuntamento para preservar o tênis nacional e transformá-lo no melhor e mais rentável esporte nacional’, diz a norma.

“Neste sentido as atuações ‘TTC’ devem procurar manter um meso estilo tático, independente do jogador titular, e os reservas devem prestar todo apoio necessário para a vitória do TTC mediante qualquer solicitação dos titulares.”

“3 – Os jogadores do TTC acordam que irão trabalhar unidos para que os próximos campeonatos, nos âmbitos nacional, estadual e municipal, sejam organizados e dirigidos pelo TTC e que toda a renda dos jogos sema revertidos para o TTC.”

No ‘TTC’, a regra 5 prevê. “Todos os jogadores terão a mesma participação nas rendas conquistadas pelo TTC, independentemente de serem titulares ou não durante os jogos.”

Tendências: