‘Talvez não neste governo’, ironiza Marco Aurélio sobre maior participação feminina na gestão Bolsonaro

‘Talvez não neste governo’, ironiza Marco Aurélio sobre maior participação feminina na gestão Bolsonaro

Ministro respondeu a advogado que falava na tribuna durante sessão da Primeira Turma

Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA

24 de setembro de 2019 | 21h53

Ministro Marco Aurélio durante sessão do STF. Foto: Fellipe Sampaio /SCO/ST

BRASÍLIA – O comentário de um advogado sobre uma maior representatividade de mulheres em cargos públicos de destaque levou o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), a ironizar o governo do presidente Jair Bolsonaro.

Leia Também

Renan 7 x 2 Deltan

Renan 7 x 2 Deltan

Nesta terça-feira, a Primeira Turma do STF julgou o caso de uma mulher presa há 14 meses sob a acusação de cometer os crimes de associação criminosa e posse irregular de arma.

Ao subir à tribuna para fazer a defesa de sua cliente, o advogado Felipe André Laranjo cumprimentou os ministros que integram a Primeira Turma. Depois de se dirigir ao relator do caso, ministro Marco Aurélio Mello, e aos ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, Laranjo se voltou para Rosa Weber, a única mulher a compor o colegiado.

“Excelentíssima senhora ministra Rosa Weber, queria cumprimentar dessa tribuna, e apenas tecer a admiração pelo trabalho e principalmente por (você) representar na Corte Suprema o poder e a força da mulher. E, com certeza, daqui a pouco tempo, vão deixar de ser minoria. Os meus cumprimentos….”, afirmou o advogado.

Nesse momento, o ministro Marco Aurélio interrompeu o advogado: “Talvez não neste governo.”

Os demais ministros do STF não esboçaram reação ao comentário irônico de Marco Aurélio. O pedido de liberdade da investigada acabou negado por unanimidade pela turma.

Representatividade. Atualmente, o Supremo conta com apenas duas ministras – Rosa Weber e Cármen Lúcia. É o mesmo número de ministras do governo Bolsonaro – Tereza Cristina (Agricultura) e Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos).

O Supremo, no entanto, é composto por 11 integrantes, o que leva a participação feminina (Rosa e Cármen) representar 18,18% do total de ministros do STF.

O governo Bolsonaro, por outro lado, conta com o dobro de autoridades – 22 ministros –, fazendo a representação feminina no primeiro escalão do Executivo federal ser de apenas 9,09%.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.