Taiana, 30, ex de doleiro da Lava Jato, posa nua para revista e diz que está ‘magoada’

Taiana, 30, ex de doleiro da Lava Jato, posa nua para revista e diz que está ‘magoada’

'Fui a primeira pessoa a quem ele mandou mensagem quando foi preso', ela afirma para a Playboy

Redação

09 de janeiro de 2015 | 17h30

Por Julia Affonso, Ricardo Brandt e Fausto Macedo

Logo após ser preso em março de 2014, pela Operação Lava Jato, o doleiro Alberto Youssef pegou o telefone e mandou uma mensagem. Do outro lado da linha, quem recebeu o comunicado da prisão foi Taiana de Sousa Camargo, de 30 anos.

Taiana Camargo. Foto: Autumn Sonnichsen/ Divulgação Playboy

Taiana Camargo. Foto: Autumn Sonnichsen/ Divulgação Playboy

De salto alto e coberta por notas de dólares, a ex-amante do doleiro estampa a capa da revista Playboy de janeiro posando em quartos de hotel e jatinhos particulares. À publicação, ela contou que foi “a primeira pessoa para quem ele mandou uma mensagem quando foi preso”.

“Ele nunca mais me ligou depois daquela mensagem. Acho que ele primeiro pensou em se preservar. Fiquei magoada”, disse Taiana.

O romance começou em 2009 após Taiana se mudar para São Paulo, para trabalhar com vendas. Ela conta que foi apresentada a Youssef por uma amiga em comum e que o contato entre os dois se tornou frequente até se transformar em um tórrido caso de amor.

Taiana Camargo. Foto: Autumn Sonnichsen/ Divulgação Playboy

Taiana Camargo. Foto: Autumn Sonnichsen/ Divulgação Playboy

De acordo com a Polícia Federal, que quebrou o sigilo telefônico do doleiro, entre 2010 e 2013 eles se falaram ao telefone por 10.222 vezes. Ela conta que, durante o relacionamento, tomou conhecimento sobre casos de corrupção envolvendo o doleiro.

“Cheguei a confrontá-lo. Mas ele disse que essas acusações eram isso, passado, e que eu estava sendo preconceituosa. Acabou me dobrando”, explica.

Taiana Camargo. Foto: Autumn Sonnichsen/ Divulgação Playboy

Taiana Camargo. Foto: Autumn Sonnichsen/ Divulgação Playboy

 

Tudo o que sabemos sobre:

Alberto Youssefoperação Lava Jato