Suspenda-se o interrogatório de Luiz Inácio Lula da Silva

Suspenda-se o interrogatório de Luiz Inácio Lula da Silva

Leia a decisão do juiz Vallisney Oliveira que adia o depoimento do ex-presidente na Operação Zelotes

Redação

22 Junho 2018 | 05h00

Lula. FOTO: SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Nesta quarta-feira, 20, o desembargador Néviton Guedes suspendeu pela quarta vez o interrogatório do ex-presidente Lula na Operação Zelotes. A audiência estava marcada para esta quinta, 21, às 9h. O magistrado acolheu reclamação da defesa do petista.

Documento

Nesta ação, o ex-presidente Lula e seu filho Luís Cláudio são acusados de negociar e receber R$ 2,5 milhões do casal de lobistas Mauro Marcondes Machado e Cristina Mautoni, também denunciados, para influenciar na prorrogação, pelo governo, de incentivos fiscais a montadoras de veículos e na compra dos caças suecos Gripen, por US$ 5,4 bilhões.

Na denúncia, os procuradores da Zelotes sustentam que o ex-presidente praticou tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A Luís Cláudio são atribuídos somente estes dois últimos crimes. Eles negam.

Lula é réu em duas ações penais da Zelotes. Além da que responde com o filho Luís Cláudio (caças suecos e incentivos a montadoras), o ex-presidente foi acusado formalmente de, na Presidência, ter editado a Medida Provisória 471, de 2009, para favorecer empresas do setor automotivo em troca de propina, o que ele nega.

Em 2015, o Estado revelou que uma medida provisória editada em 2009 pelo governo do então presidente Lula teria sido “comprada” por meio de lobby e de corrupção para favorecer montadoras de veículos. Empresas do setor negociaram pagamentos de até R$ 36 milhões a lobistas para conseguir do Executivo um “ato normativo” que prorrogasse incentivos fiscais de R$ 1,3 bilhão por ano.