Supremo valida índice de correção monetária adotado pelo Plano Real

Supremo valida índice de correção monetária adotado pelo Plano Real

Por maioria, Plenário entendeu na sessão desta quinta, 16, que é constitucional aplicação da Unidade Real de Valor (URV) para cálculo dos índices de correção monetária nos dois primeiros meses de implantação do Plano, em 1994; ministros concluíram que a aplicação imediata do artigo 38 da Lei 8.880/94 aos contratos pactuados antes da sua vigência não violou direito adquirido

Redação

16 de maio de 2019 | 20h11

Cédulas de real. Foto: Marcos Santos/ USP Imagens

O Plenário do Supremo, na sessão desta quinta, 16, por maioria de votos, julgou procedente a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 77 para declarar a constitucionalidade do artigo 38 da Lei 8.880/94, que dispôs sobre a utilização da Unidade Real de Valor (URV) para o cálculo dos índices de correção monetária nos dois primeiros meses de implantação do Plano Real. De acordo com a corrente majoritária, a aplicação imediata desse dispositivo para os contratos pactuados antes da vigência da lei não violou direito adquirido (artigo 5.º, inciso XXXVI, da Constituição Federal).
As informações foram divulgadas no site do Supremo.

Caso

No mérito, o STF declarou a constitucionalidade do uso da Unidade Real de Valor (URV) durante o período de transição da moeda, do cruzeiro real para o real, como pediu a Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif), autora da ação.

Segundo a Consif, considerando-se que no cálculo dos índices representativos da inflação experimentada em julho e agosto de 1994 haveria comparação de preços nominados em duas moedas distintas – o Cruzeiro Real e o Real -, a norma, ‘para evitar artificialismos e consequentes distorções’, determinou que, no cálculo dos índices referentes àqueles meses, deveria ser utilizada apenas uma unidade de conta, a URV, que mudou sua denominação para Real em 1.º de julho de 1994.

A regra, alegavam, não interferiu em preços, não alterou metodologia de cálculo de índices de preços e de índices estipulados em leis ou contratos. E, por veicular norma de conversão de moeda, teve aplicação imediata e geral.

Sustentações orais

Sustentaram da tribuna, além do representante da autora da ação, o procurador-geral do Banco Central, Cristiano Cozer, e o advogado-geral da União, André Mendonça, pela procedência da ADPF. O advogado da amicus curiae Multiplic Ltda., Francisco Rezek, defendeu a inconstitucionalidade da norma.

Voto do relator

O ministro Dias Toffoli, relator da ADPF, fez considerações sobre a conjuntura econômica do país na época da implantação do Plano Real e lembrou que, de março a junho de 1994, o Cruzeiro Real e a URV integraram o sistema monetário nacional. A partir de julho daquele ano, apenas o Real passaria a compô-lo.

Para calcular a inflação relativa a julho e a agosto de 1994, a norma questionada assentou que os preços coletados para fins de apuração dos índices de correção monetária deveriam estar todos em bases comparáveis e, para isso, estabeleceu como única unidade de conta a URV. Dessa forma, segundo o relator, seria possível aferir “a perda de poder aquisitivo da moeda, agora o Real, e não da moeda já extinta, o Cruzeiro Real”.

O site do Supremo destacou que a apuração da inflação desse período teria que seguir essa lógica, estabelecida pelo artigo 38. “Trata-se de dispositivo imanente à moeda e, em sua criação, inequivocadamente esteve presente o espírito da preservação do referido equilíbrio econômico-financeiro dos contratos”. Diante disso, para o relator, não há direito adquirido à aplicação de índices de correção monetária diversa das novas normas definidoras do sistema monetário.

O ministro observou ainda que a norma, por ter natureza institucional estatutária, pode ser aplicada imediatamente às obrigações em curso na época do seu advento. “O dispositivo é parte integrante e inseparável das leis e medidas provisórias responsáveis pela introdução do Real”, afirmou. Ainda segundo o presidente da Corte, o artigo não determinou mudança da metodologia dos índices de preços e não impôs alteração na fórmula de cálculo: simplesmente estabeleceu que apenas os índices calculados na forma da lei seriam válidos em cláusulas de correção monetária.

Os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luiz Fux, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes acompanharam o relator.

Divergência

O ministro Marco Aurélio inaugurou a divergência ao votar pela improcedência da ação. Para ele, o artigo não se aplica a contratos existentes, atos jurídicos perfeitos acabados porque firmados a partir da legislação da época, “sob pena de implementar-se verdadeiro expurgo”. Ele assinalou que o artigo 7º da norma assenta que os valores das obrigações pecuniárias de qualquer natureza podem ser convertidos em URV se houver prévio acordo entre as partes. “O que pactuado é lei entre as partes e precisa ser respeitado”, afirmou.

O ministro votou pelo não conhecimento da ADPF, mas pelo seu recebimento como Ação Declaratória de Constitucionalidade (ADC) e pelo provimento para dar interpretação conforme a Constituição ao artigo 38, a fim de assentar que “ele não se sobrepõe, por não versar padrão monetário, aos atos jurídicos perfeitos e acabados”. Acompanhou a divergência o ministro Celso de Mello.

Tese

O Plenário fixou a seguinte tese: ‘É constitucional o artigo 38 da Lei 8.880/1994, não importando a aplicação imediata desse dispositivo violação do artigo 5º, inciso XXXVI, da CF’. Ficou vencido, neste ponto, apenas o ministro Marco Aurélio.

COM A PALAVRA, Arnoldo Wald

“A decisão do Supremo é importante para o caixa dos bancos e mostra o restabelecimento da segurança jurídica. Como o caso tem repercussão geral, outros semelhantes serão julgados de igual forma”, declarou o advogado Arnoldo Wald, que representa a Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif).
Em sua avaliação, ‘o Plano Real foi a grande revolução intelectual e econômica no país’.

“A partir do Real, foi possível acabar com a inflação e o Brasil passou a ter estabilidade monetária. Foi vencida da batalha contra a inflação, que era inaceitável”, sustenta Arnoldo Wald.

A Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif) entrou na Justiça porque diversas ações judiciais passaram a questionar o uso da URV. Isso gerou uma multiplicação de processos.

O Banco Central pediu para ser Amicus Curiae na ação. Endossou a ADPF da Consif e o pedido para que fossem suspensas todas as ações na Justiça sobre o assunto.
Em memorial ao Supremo, afirmou que responde por 29 ações, cujo valores somados chegam a R$ 10 bilhões.

O advogado Marcus Vinícius Vita Ferreira, sócio do escritório Wald, Antunes, Vita, Longo e Blattner Advogados Associados, fez a sustentação oral na sessão desta quinta, 16, no Plenário do Supremo.

A Confederação argumentou que ‘o artigo 38 da Lei nº 8.880/94 trouxe uma regra a ser observada no cálculo dos índices representativos da inflação experimentada nos dois primeiros meses de vigência do Real (julho e agosto de 1994), configurando típica norma de conversão de padrão monetário, não interferindo em cláusulas contratuais ou em formação de preços, nem determinando a alteração de índice ou de metodologia de cálculo utilizada pelas instituições especializadas’.

Tudo o que sabemos sobre:

Plano Real

Tendências: