Supremo também manda soltar Genu, o homem do PP na Lava Jato

Supremo também manda soltar Genu, o homem do PP na Lava Jato

Por três votos a dois, ministros da Corte máxima revogaram prisão preventiva de ex-assessor do deputado José Janene, criador do esquema de corrupção instalado na Petrobrás

Julia Affonso, Luiz Vassallo e Breno Pires

25 de abril de 2017 | 18h36

João Cláudio Genu. Foto: Reprodução

João Cláudio Genu. Foto: Reprodução

O Supremo Tribunal Federal revogou nesta terça-feira, 25, decreto de prisão preventiva do ex-assessor do PP João Claudio Genu. Na Segunda Turma do STF, foram 3 votos a favor da concessão da ordem de habeas corpus para Genu, e 2 contra.

Um pouco mais cedo, na mesma sessão, a Corte revogou ordem de prisão preventiva contra o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula.

Apontado como braço-direito do ex-deputado José Janene (PP/PR, morto em 2010) – a quem a Lava Jato atribuiu o papel de criador do esquema de corrupção e cartel instalado na Petrobrás entre 2004 e 2014 – Genu estava preso desde maio de 2016 por ordem do juiz federal Sérgio Moro.

Em dezembro, Moro condenou Genu a oito anos e oito meses de prisão por corrupção e associação criminosa. O juiz absolveu Genu do crime de lavagem de dinheiro.

Na sentença, Moro apontou que o ex-assessor teria recebido R$ 3 milhões em propina do esquema de corrupção instalado na Petrobrás, mesmo enquanto era julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) no mensalão. Moro considerou o fato ‘perturbador’.

Agora, Genu poderá recorrer em liberdade da condenação imposta a ele por Moro.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO MARLUS ARNS, QUE DEFENDE JOÃO CLÁUDIO GENU

“O STF dá um claro indicativo que é preciso analisar com cuidado as prisões preventivas que vêm se prolongando no tempo, indicando que se os requisitos do artigo 312 do Código do Processo Penal não estiverem presentes, a liberdade deve ser concedida” – Marlus Arns de Oliveira, Advogado de Defesa

Tudo o que sabemos sobre:

STFJoão Claudio Genuoperação Lava Jato

Tendências: