Supremo põe ex-assessor de Perrella em domiciliar

Supremo põe ex-assessor de Perrella em domiciliar

Por três votos a dois, ministros da 1.ª Turma da Corte máxima livram Mendherson Lima da cadeia da Lava Jato

Redação

20 de junho de 2017 | 16h28

Foto: Reprodução

Por três votos a dois, os ministros da 1.ª Turma do Supremo Tribunal Federal transformaram em prisão domiciliar regime preventivo a que estava submetido Mendherson Lima, ex-assessor do senador Zezé Perrella (PMDB/MG). Mendherson estava preso desde 18 de maio, quando foi deflagrada a Operação Patmos – desdobramento da Lava Jato que investiga suposta propina de R$ 2 milhões da JBS para o senador Aécio Neves (PSDB/MG).

+ Defesa de Aécio volta a pedir julgamento no plenário do STF

+ Contagem regressiva para a primeira sentença de Lula na Lava Jato

Mendherson teria ficado com parte dos R$ 2 milhões, segundo a investigação, ao menos R$ 480 mil.
Os ministros mandaram soltar o ex-assessor, mas a ele impuseram medidas cautelares, como uso de tornozeleira eletrônica.

+ Consórcio Rodoanel contratou WTorre ‘para compensar’ licitação da Petrobrás, diz engenheiro

Votaram pela liberdade de Mendherson os ministros Marco Aurélio Mello, relator, Alexandre de Moraes e Luiz Fux.

Votaram pela permanência do ex-assessor na cadeia da Lava Jato os ministros Luís Roberto Barroso e Rosa Weber, vencidos.

O julgamento que livrou Mendherson antecede o julgamento do pedido da Procuradoria-Geral da República que insiste na decretação da prisão do senador Aécio Neves.

Mais conteúdo sobre:

Mendherson Limaoperação Lava Jato