Supremo manda inquérito de Cássio Cunha Lima para 1ª instância

Supremo manda inquérito de Cássio Cunha Lima para 1ª instância

Defesa do senador tucano pedia arquivamento de investigação que o coloca sob suspeita de crimes tributários na época em que ocupava o cargo de governador da Paraíba, em 2009; ministros da Primeira Turma da Corte consideram que há 'diligências pendentes'

Paulo Roberto Netto

07 Novembro 2018 | 13h45

Senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB). Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Os ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal rejeitaram nesta terça-feira, 6, recurso da defesa do senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) e despacharam o inquérito contra o tucano para a primeira instância. A defesa do parlamentar alega falta de provas e pede o arquivamento do processo.

Cunha Lima é investigado por suposta prática de crimes tributários quando exerceu o cargo de governador da Paraíba, em 2009. Inicialmente, a ministra Rosa Weber, relatora do caso, havia determinado que o processo fosse encaminhado a uma das varas criminais da Paraíba, visto que o parlamentar, à época do suposto crime, não tinha foro junto ao STF.

A defesa apresentou recurso, alegando que nove anos após a abertura do inquérito ainda não foram apontadas provas contra ele.

O processo foi retomado nesta terça após vista do ministro Luís Roberto Barroso, que acompanhou Rosa Weber, Luiz Fux e Marco Aurélio – estes entenderam que o arquivamento do inquérito não poderia ser feito devido à falta de diligências periciais.

Além disso, os ministros alegam que os delitos investigados ‘não são relacionados ao exercício de mandato de senador e ocorreram antes da diplomação no cargo, em 2010’.

O voto vencido foi o ministro Alexandre de Moraes, que considerou não ter encontrado indícios de crimes após a tramitação do inquérito.

COM A PALAVRA, CÁSSIO CUNHA LIMA

A reportagem está tentando contato com a defesa do senador Cássio Cunha Lima. O espaço está aberto para manifestações.

Mais conteúdo sobre:

STFCássio Cunha Lima