Supremo derruba indicação que conclamava juízes a avaliar liberdade condicional a presos por coronavírus

Supremo derruba indicação que conclamava juízes a avaliar liberdade condicional a presos por coronavírus

Medida anunciada pelo ministro Marco Aurélio Mello atendia pedido do Instituto de Defesa do Direito de Defesa, que buscava evitar o contágio de detentos e agentes penitenciários

Paulo Roberto Netto

19 de março de 2020 | 15h46

O Supremo Tribunal Federal derrubou, por maioria, a indicação do ministro Marco Aurélio Mello que conclamava juízes de execução penal a avaliar a liberação de detentos mediante prisão domiciliar ou liberdade condicional após o avanço do novo coronavírus no Brasil. A medida havia atendido pedido do Instituto de Defesa do Direito de Defesa, que buscava evitar o contágio de detentos e agentes penitenciários.

A entidade solicitava que deixassem os presídios em liberdade condicional os presos com idade superior a 60 anos e ficassem em regime domiciliar os detentos com doenças crônicas e respiratórias. Ambos são grupos de risco com maiores riscos de complicações em decorrência do Covid-19, doença provocada pelo coronavírus.

Sessão plenária do Supremo Tribunal Federal, em Brasília. Foto: Nelson Jr./SCO/
STF

Apesar de conclamar os juízes de execução penal sobre o caso, o ministro Marco Aurélio submeteu o caso para avaliação do plenário, que decidiu pelo entendimento apresentado pelo Ministério Público Federal. A Procuradoria alega que a mera erupção da pandemia não justificaria ‘automaticamente qualquer mudança de comportamento das autoridades ou do Judiciário na questão penitenciária’.

De acordo com o vice-procurador-geral da República Humberto Jacques de Medeiros, o entendimento do MPF é de que o momento pede ‘conservação dos comportamentos e de prudência’ e que a medida de Marco Aurélio Mello não parecia razoável para o momento de menor circulação de pessoas.

“Há soluções racionais, e as bases em que estão restritas liberdades antes da epidemia não necessariamente devem ser revistas durante uma pandemia. A ocorrência e a circulação desse vírus exige de todos uma parcela de sacrifício”, afirmou Medeiros,

Ao negar o processo, o ministro Marco Aurélio Mello manteve posição de que o Instituto de Defesa de Direito de Defesa não tinha legitimidade no processo para fazer a solicitação, visto que acompanhava o caso apenas como amicus curiae.

No mérito, o ministro rejeitou o processo acompanhado de Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Cármen Lúcia e o presidente da Corte, ministro Dias Toffoli. A divergência ficou por conta do ministro Gilmar Mendes.

Tudo o que sabemos sobre:

coronavírusSTF [Supremo Tribunal Federal]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.