Suplicy depõe por Palocci e confunde Moro com premiê italiano assassinado pelas Brigadas Vermelhas há 40 anos

Suplicy depõe por Palocci e confunde Moro com premiê italiano assassinado pelas Brigadas Vermelhas há 40 anos

Arrolado pela defesa do ex-ministro da Fazenda e Casa Civil, vereador paulistano pelo PT confundiu juiz da Lava Jato com Aldo Moro; de quebra, ofereceu ao magistrado dois livros seus, um deles o eterno 'Renda de Cidadania'

Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Mateus Coutinho e Fausto Macedo

18 de fevereiro de 2017 | 06h30

Eduardo Suplicy (PT-SP) na Câmara Municipal. FOTO AMANDA PEROBELLI/ESTADÃO

Eduardo Suplicy (PT-SP) na Câmara Municipal. FOTO AMANDA PEROBELLI/ESTADÃO

O vereador paulistano Eduardo Suplicy (PT) confundiu o juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, com o ex-primeiro-ministro da Itália Aldo Moro, assassinado em maio de 1978 pelo grupo terrorista Brigadas Vermelhas.

Arrolado pela defesa do ex-ministro Antônio Palocci (Fazenda e Casa Civil/Governos Lula e Dilma) – preso desde outubro de 2016 por suspeita de receber R$ 128 milhões da empreiteira Odebrecht -, Suplicy, aparentemente sem se dar conta da gafe, trocou Sérgio por Aldo em dois momentos da audiência.

Célebre líder da democracia cristã na Itália, Aldo Moro, jurista e professor, ocupou por cinco vezes o cargo de primeiro-ministro de seu país. Sequestrado em março de 1978, ele ficou em cativeiro durante 55 dias, até ser executado. A brutalidade do crime chocou todo o mundo.

Suplicy depôs nesta sexta-feira, 17, por videoconferência em uma sala da Justiça Federal em São Paulo para o juiz Moro, instalado no gabinete de Curitiba, base da Lava Jato.

Durante o depoimento, Suplicy ofereceu ao magistrado exemplares de dois livros de sua lavra, o eterno ‘Renda de Cidadania – a saída é pela porta’, e ‘Um Notável Aprendizado’, que reconstitui os tempos de boxeador até a chegada ao Senado. Moro aceitou ‘de bom grado’, segundo disse.

Ao ser indagado pelo criminalista José Roberto Batochio, defensor de Palocci, sobre a conduta funcional do ex-ministro, Suplicy discorreu longa e lentamente, ao seu feitio.

Antes de ser interrompido pelo magistrado, já aos 8 minutos e 38 segundos de audiência, o ex-senador, eleito vereador mais votado em São Paulo, disse. “Se me permite, juiz, doutor Aldo Moro, como senador eu tive um momento muito especial porque o senhor sabe… eu até…se me permitir, vou deixar aqui para o senhor o meu livro Renda de Cidadania, a saída é pela porta’ e o outro ‘Um notável aprendizado’, desde os tempos do boxe que eu pratiquei na adolescência até o Senado, a busca pela verdade e da Justiça. Então, o senhor pode ter a certeza que hoje estou aqui buscando a verdade, colaborando com o senhor.”

Em sua pregação por uma distribuição igual das riquezas do País, Suplicy seguiu diante de um juiz muito atento em sua cadeira.

O vereador defendeu a instituição do programa da renda de ‘maneira incondicional, o direito de toda e qualquer pessoa, não importa origem, raça, sexo, idade e condição civil e sócio-econômica’. Ele disse que todos devem participar ‘da riqueza comum da nossa Nação, todos terão direito, até o juiz Aldo Moro, o vereador Suplicy, o Pelé, a Xuxa, o mais bem sucedido empresário brasileiro sim’.

Então, o petista voltou à carga com suas obras. “Eu gostaria de lhe dar esses livros para que o senhor saiba dessa minha interação com o senhor Palocci.”

“Agradeço a gentileza senhor Suplicy”, interrompeu Sérgio Moro, após 8 minutos e 38 segundos. “Todos conhecem a história notória do seu envolvimento no projeto de renda mínima, eu agradeço a gentileza. Até tenho um desses livros, mas já de bom grado aceito mais um e passo a palavra de novo ao defensor.”

Batochio aproveitou a deixa e rapidamente emendou nova pergunta à testemunha. “Dada a exiguidade de tempo…”, disse o criminalista. “Vou procurar ser sintético”, prometeu Suplicy.

O vereador deu início a um relato detalhado da conduta do réu, a quem conhece desde os anos 1980. “Eu nunca ouvi, assisti, testemunhei qualquer ação do ministro Antônio Palocci que não fosse de extrema seriedade e comportamento ético exemplar. Nunca soube de qualquer iniciativa que ele pudesse ter no Senado, onde passaram muitas medidas econômicas, da área tributária, que pudesse significar o atendimento de interesse de algum setor. Nunca o ministro Antônio Palocci chegou para mim e falou ‘olha, é preciso votar nisso aqui, vai atender tal grupo empresarial que tem ótima relação conosco e, se aprovado, vai poder dar contribuição ao nosso partido’.”

Nesse ponto, acertou o nome do magistrado da Lava Jato. “Quero dizer perante o Sérgio Moro que nunca ouvi do ministro Antônio Palocci qualquer ação ou palavra que pudesse ser caracterizada por um comportamento desse tipo.”

O advogado de Palocci perguntou a Suplicy se ele sabia de envolvimento ou ato do ex-ministro para favorecer a empreiteira Odebrecht ou a Braskem, braço petroquímico da Petrobrás. “Do meu conhecimento, nunca houve o que pudesse ser considerado ilegal.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.