Suíça devolve R$ 20 mi em diamantes e ouro do esquema Sérgio Cabral

Suíça devolve R$ 20 mi em diamantes e ouro do esquema Sérgio Cabral

Por meio de uma estratégia conjunta da Secretaria de Cooperação Internacional do Ministério Público Federal e da força-tarefa da Lava Jato no Rio, País recupera 27 pedras de diamantes e 4,5 quilos de ouro adquiridos com dinheiro ilegal da gestão do ex-governador emedebista

Pepita Ortega e Fausto Macedo

06 de março de 2020 | 12h00

Imagem ilustrativa. Foto: Pixabay

O Ministério Público Federal colocou à disposição da Justiça nesta sexta, 6, 27 pedras de diamantes e 4,5 kg de ouro que foram adquiridos com dinheiro do esquema de corrupção chefiado pelo ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral. O material estava na Suíça e, segundo peritos, é avaliado em mais de R$ 20 milhões.

A operação de repatriação do tesouro foi autorizada pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal Federal do Rio, responsável pela Lava Jato no Estado. A missão teve início na última terça, 3, quando procuradores embarcaram para Genebra, receberam o material e retornaram ao Brasil. Os diamantes e o ouro foram entregues para custódia de um banco nesta sexta, 6, informou o MPF.

A ação foi realizada pelo Ministério Público Federal, por meio da Secretaria de Cooperação Internacional (SCI), e pela Força-Tarefa Lava Jato no Rio. O procedimento contou ainda com o apoio da Polícia e da Receita Federal, além do Ministério Público suíço e da embaixada italiana.

A existência e a localização dos diamantes e do ouro foram reveladas em delação pelos irmãos doleiros Marcelo e Renato Chebar. Em março de 2017, o juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal do Rio, autorizou a transferência de R$ 250 milhões do acordo de colaboração dos irmãos para pagamento do 13º salário dos servidores públicos estaduais

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.