Substitutivo de projeto anticorrupção ‘afronta as consciências republicanas’, afirma presidente da Ajufe

Substitutivo de projeto anticorrupção ‘afronta as consciências republicanas’, afirma presidente da Ajufe

Roberto Veloso, da entidade que representa os juízes federais do Brasil, divulgou nota nesta tarde criticando as alterações no projeto das 10 Medidas Contra a Corrupção que deve ir a votação no plenário da Câmara

Mateus Coutinho e Julia Affonso

29 de novembro de 2016 | 16h06

Roberto Veloso. Foto: Divulgação

Roberto Veloso. Foto: Divulgação

Para o presidente da Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) Roberto Veloso, o substitutivo do projeto de lei das 10 Medidas Contra a Corrupção que deve ir a votação no plenário da Câmara dos Deputados nesta terça-feira, 29, é uma “afronta contra as consciências republicanas brasileiras”.

Em nota divulgada nesta tarde, o presidente da entidade ainda classificou o substitutivo, que prevê alguns pontos polêmicos como prazo para a investigação de políticos e a possibilidade de enquadramento de juízes e procuradores nos chamados crimes de responsabilidade, como “verdadeiro absurdo”.

“Estabelecer crimes de responsabilidade a juízes de primeiro grau perante o Senado Federal por terem suas sentenças criminais reformadas pelos Tribunais de apelação é um absurdo e ofende a Constituição Federal”, afirmou Veloso no texto

Juiz federal em São Luís (MA) e professor de Direito Penal na Universidade Federal do Maranhão, ele considera que a eventual aprovação do texto representaria um “completo desvirtuamento da proposta original”. O projeto de Lei de iniciativa popular foi criado a partir de uma campanha do Ministério Público Federal que coletou mais de duas milhões de assinaturas em apoio à proposta.

Ele acabou sendo aprovado, sem as alterações polêmicas, na Comissão Especial da Câmara para analisar a proposta e, agora, será alvo de discussões no plenário da Câmara.

Na Casa, os parlamentares acuados com o avanço da Lava Jato articulam para incluir e alterar alguns pontos mesmo após o presidente Michel Temer (PMDB) e os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) e da Câmara, Rodrigo Maia (DEM) anunciarem no domingo que não seria aprovada a possibilidade de anistia ao caixa 2, que havia sido implementada na proposta na semana passada.

As novas alterações que vem sendo discutidas já foram também criticadas pelo procurador da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, que acusou os parlamentares de estarem incluindo “jabutis” no projeto de lei.

“Ao invés de estarem sendo criados instrumentos modernos de enfrentamento da corrupção, está-se querendo punir os encarregados de julgar os casos de desvio de dinheiro público. A sociedade brasileira não pode admitir tamanho absurdo”, conclui o presidente da Ajufe na nota.

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

10 Medias Contra a CorrupçãoAjufe

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.