STJ também nega prisão domiciliar humanitária a Roger Abdelmassih

STJ também nega prisão domiciliar humanitária a Roger Abdelmassih

Ministros da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça mantêm decisão do desembargador Jesuíno Rissato, do Tribunal de Justiça de São Paulo, e ex-médico condenado a 278 anos de prisão por estupro e atentado ao pudor contra mais de 70 mulheres fica em regime fechado

Maria Isabel Miqueletto

22 de outubro de 2021 | 10h37

Roger Abdelmassih. Foto: EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) manteve a decisão do desembargador Jesuíno Rissato de não conceder prisão domiciliar humanitária para o ex-médico Roger Abdelmassih. O benefício havia sido cassado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP). Abdelmassih foi condenado a 278 anos de prisão por estupro e atentado ao pudor contra mais de 70 pacientes.

Documento

O entendimento da Quinta Turma do STJ é que não há qualquer situação excepcional que impeça Abdelmassih de cumprir sua pena na penitenciária e que, em caso de uma futura internação, poderá receber tratamento médico na unidade prisional ou em hospital de custódia. Para Rissato, relator do caso, o ex-médico “poderá ser submetido a tratamento em hospital de custódia ou outro, mediante escolta, como qualquer outro apenado nas mesmas condições ou mesmo tal qual aconteceria se em domicílio estivesse”.

Com o habeas corpus, a defesa buscava o restabelecimento da prisão domiciliar humanitária, antes concedida ao ex-médico, alegando que o condenado enfrenta graves problemas de saúde e que o presídio não teria assistência médica adequada para tratá-lo. No recurso, alegou que o paciente é “portador de insuficiência cardíaca crônica e a unidade prisional não teria condições de fornecer tratamento médico ou de socorrer o apenado em casa de ugência”. A Corte de origem concluiu que não houve comprovação dos fatos alegados.

O ex-médico Roger Abdelmassih ao ser preso pela Polícia Civil de São Paulo. Foto: Foto: Sérgio Castro/ Estadão

“No que atine ao estado de saúde do paciente, tem-se que nem mesmo as comorbidades que o acometem teriam o condão de alterar o já exposto, vez que a efetiva presença/existência de assistência médica no local onde cumpre pena afasta a possibilidade de deferimento do pedido de prisão domiciliar”, ressalta o relator na decisão.

A defesa sustentou, ainda, que embora a pena do ex-médico seja em regime fechado, a concessão da prisão domiciliar não violaria o artigo 112 da Lei de Execução Penal, que prioriza os princípios da dignidade da pessoa humana e da razoabilidade.

O magistrado observou que Abdelmassih não atende aos requisitos exigidos para obter o benefício, destinado àqueles que cumprem pena em regime aberto. “Como também observado pela origem, desde já, deve-se esclarecer que o paciente não cumpre sequer o primeiro requisito legalmente exigido: o de estar cumprindo pena em regime aberto”, concluiu o relator.

Tudo o que sabemos sobre:

Superior Tribunal de Justiça

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.