STJ nega indenização a manifestante por foto em jornal na ‘Marcha das Vadias’

STJ nega indenização a manifestante por foto em jornal na ‘Marcha das Vadias’

Autor da ação, cuja foto foi publicada no Zero Hora, de Porto Alegre, alegou 'violação a direito de imagem'; ministro relator concluiu que 'a veiculação da imagem questionada não teve finalidade econômica, mas informativa'

Luiz Vassallo, Julia Affonso e Fausto Macedo

10 de abril de 2017 | 11h34

Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília. Foto: ROBERTO JAYME/ESTADÃO

Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília. Foto: ROBERTO JAYME/ESTADÃO

Em decisão unânime, a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou pedido de indenização por violação a direito de imagem por causa de publicação não autorizada da fotografia de um manifestante da ‘Marcha das Vadias’, ocorrida em local público, em Porto Alegre.

As informações foram divulgadas no site do STJ.

Documento

O caso envolveu o jornal Zero Hora, do Rio Grande do Sul, e a ilustração de uma reportagem sobre a Marcha das Vadias, manifestação popular contra todo tipo de violência à mulher.

Um dos manifestantes, ao se identificar em foto publicada na matéria, ajuizou ação por danos morais pela utilização da imagem de forma supostamente comercial em jornal e site pertencentes à empresa.
A sentença, confirmada no acordão de apelação, julgou o pedido improcedente. No STJ, o relator, ministro Paulo de Tarso Sanseverino, votou pela manutenção da decisão.

Para o ministro, embora o jornal seja uma empresa voltada à exploração comercial, a veiculação da imagem questionada não teve finalidade econômica.

Finalidade informativa. “No exercício de sua empresa, a ré presta serviços jornalísticos. Com o intuito de informar e no pleno exercício da liberdade de imprensa, divulgou matéria relativa à realização da manifestação popular denominada Marcha das Vadias, ilustrada com fotografia em que consta não apenas o autor, mas ao menos quatro outras pessoas”, destacou o ministro.

Sanseverino observou que a Súmula 403 do STJ, ao mencionar fins econômicos e comerciais, refere-se a situações em que a imagem divulgada sem autorização está sendo essencialmente utilizada para fins publicitários e de propaganda ou para, de alguma outra forma, alavancar a venda dos periódicos, o que, segundo ele, não foi o caso dos autos.

Exigência inviável. “A finalidade primária na divulgação da imagem do autor não foi econômica ou comercial, mas, sim, informativa, sendo que, em casos como o presente, a liberdade de imprensa e o direito à informação se sobrepõem ao direito de imagem”, disse o relator.

Sanseverino destacou ainda o fato de o manifestante ter sido fotografado em evento e local públicos empunhando cartaz, o que denotaria sua vontade de ser visto a defender seus ideais. Também ressaltou a impossibilidade da exigência de autorização específica de cada uma das pessoas retratadas no evento.
A exigência, segundo o relator, acabaria por ‘inviabilizar a própria atividade informativa, que é de claro interesse público e que atende à garantia constitucional de liberdade à informação’.

COM A PALAVRA, O GRUPO RBS

“O STJ reafirmou o princípio da liberdade de expressão e informação, confirmando as decisões anteriores, de primeiro e segundo graus, com base na nossa defesa, cuja justificativa é o interesse jornalístico da notícia e a realização da manifestação em um lugar público”.

Tudo o que sabemos sobre:

STJMarcha das Vadias

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.