STJ mantém na prisão executivo ligado ao Grupo Odebrecht

STJ mantém na prisão executivo ligado ao Grupo Odebrecht

Por quatro votos a um, Corte rejeitou pedido de habeas corpus para Márcio Faria, preso desde 19 de junho na Lava Jato

Andreza Matais, Gustavo Aguiar e Julia Affonso

15 de dezembro de 2015 | 18h41

Márcio Faria foi preso em 19 de junho. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Márcio Faria foi preso em 19 de junho. Foto: Tiago Queiroz/Estadão

O Superior Tribunal de Justiça negou nesta terça-feira, 15, pedido de habeas corpus para o executivo Márcio Faria, ligado ao Grupo Odebrecht. Por quatro votos a um, a 5.ª Turma da Corte rejeitou liberdade para Faria, preso desde 19 de junho na Operação Erga Omnes, desdobramento da Lava Jato que alcançou os maiores empreiteiros do País, Marcelo Odebrecht e Otávio Marques de Azevedo, da Andrade Gutierrrez – supostamente envolvidos no esquema de propinas instalado na Petrobrás entre 2004 e 2014.

O habeas corpus para Márcio Faria voltou à pauta do STJ depois do pedido de vista do ministro Felix Fisher, na sessão de 3 de dezembro.

[veja_tambem]

Nesta terça, 15, Félix Fischer votou contra o pedido alegando que ‘o esquema era criminoso’, e que os crimes eram praticados de forma ‘habitual, sistemática e profissional’.

Para o ministro é preciso manter a prisão preventiva do executivo para ‘não haver reincidência dos gravíssimos crimes’.

Os ministros Jorge Mussi, Gurgel de Faria e Reynaldo Fonseca acompanharam o ministro Fisher.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava Jato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.