STJ mantém decisão que restabeleceu condenações de 74 policiais militares por massacre do Carandiru

STJ mantém decisão que restabeleceu condenações de 74 policiais militares por massacre do Carandiru

Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça confirmou parecer individual do ministro Joel Ilan Paciornik pelo conhecimento dos júris populares que condenaram os agentes

Rayssa Motta

11 de agosto de 2021 | 15h01

Para conter uma rebelião que teve início no pavilhão 9 da Casa de Detenção de São Paulo, a Tropa de Choque de São Paulo, comandada pelo coronel Ubiratan Guimarães, invadiu o presídio do Carandiru e matou 111 presos. Foto: MÔNICA ZARATTINI/AGÊNCIA ESTADO

A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu manter a decisão individual do ministro Joel Ilan Paciornik que restabeleceu as condenações em júri popular dos policiais militares envolvidos no massacre do Carandiru, em que 111 presos foram mortos após uma rebelião no complexo penitenciário na zona norte da capital paulista no ano de 1992. Ao todo, 74 agentes foram condenados em cinco diferentes julgamentos, realizados entre 2013 e 2014.

Documento

Em julgamento nesta terça-feira, 11, o colegiado negou conhecer um recurso apresentado pela defesa dos policiais na tentativa de anular a decisão. Os ministros não chegaram a debater o caso, que foi julgado em lista – ou seja, em bloco e sem deliberação ou leitura dos votos no plenário.

Relator do caso, o ministro Joel Ilan Paciornik restabeleceu as condenações dos policiais em decisão monocrática no mês de junho. Ele analisou um recurso do Ministério Público de São Paulo contra o parecer do Tribunal de Justiça do Estado que anulou os julgamentos dos policiais em júri popular, sob o argumento de que a denúncia contra os agentes não individualizou as condutas e, por isso, os jurados não poderiam ter votado pelas condenações. O tribunal paulista determinou a realização de novos julgamentos.

Presos penduram faixa de luto no Complexo Penitenciário do Carandiru, três dias após o massacre ocorrido no local, em 05/10/1992. Foto: Itamar Miranda/ Estadão

Ao apreciar o caso, o ministro do STJ concluiu que tanto defesa quanto acusação reuniram provas para corroborar suas teses e que, portanto, os jurados não votaram em contradição com o conjunto probatório dos autos.

“O voto não aponta prova cabal a respeito do acontecido, tendo sido elaborado no sentido do cotejo entre as provas, com uso de livre convencimento motivado, para valorar aquelas que amparavam a tese defensiva, em detrimento daquelas que escoravam a tese acusatória. Assim, tem-se que a decisão dos jurados não pode ser acoimada de manifestamente contrária à prova dos autos”, escreveu na época. “Ao contrário do que constou no acórdão recorrido, a condenação dos policiais pelos jurados decorreu da constatação do liame subjetivo (diga-se de passagem que foram 5 júris, todos ‘condenatórios’).”

Paciornik chegou a observar que as provas que poderiam individualizar as condutas ficaram ‘prejudicadas’ porque não houve confronto balístico entre as armas usadas pelos agentes e as balas retiradas dos corpos das vítimas. Destacou ainda que houve ‘excesso’ na conduta por parte dos policiais. “Caracterizado pela morte desnecessária de presos (vítimas)”, afirmou na ocasião.

Tudo o que sabemos sobre:

Massacre do Carandiru

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.