Por decisão do STJ, Cabral deixa Bangu e vai para quartel do Corpo de Bombeiros no Humaitá

Por decisão do STJ, Cabral deixa Bangu e vai para quartel do Corpo de Bombeiros no Humaitá

Desembargador considerou não ser prudente a manutenção de ex-governador em Bangu 1; ex-político tinha sido transferido de prisão da PM, por causa de supostas regalias ilegais

Rayanderson Guerra/RIO

05 de maio de 2022 | 18h02

Em 2008, quando ainda não imaginava ser alvo da Operação Lava Jato, o então governador do Rio, Sérgio Cabral, foi fotografado em Paris andando de bicicleta. Foto: Carlos Margno / Imprensa RJ

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou nesta quinta-feira, 5, que o ex-governador Sérgio Cabral seja transferido para o Grupamento Especial Prisional do Corpo de Bombeiros. A corte atendeu a um pedido da defesa do ex-governador, que tinha sido transferido para o presídio Bangu 1, no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio. Os advogados de Cabral argumentaram não haver prova de que seu cliente tivesse ligações com supostas regalias detectadas na Unidade Prisional da Polícia Militar, em Niterói, onde estava anteriormente.

Documento

Documento

Foi o desembargador Olindo Herculano de Menezes que atendeu ao pedido da defesa de Cabral. O magistrado, que atua na Corte por ter sido convocado em março do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região para a vaga aberta pela aposentadoria do ministro Nefi Cordeiro, entendeu não ser “prudente a manutenção do ex-governador” em Bangu 1.

“A remoção dos penitentes, mui especialmente do paciente (Cabral), não deixou de ocorrer sob os auspícios de uma certa culpa coletiva, sem nenhuma individualização, ao arrepio do devido processo legal, sem falar que muito do que se constatou na inspeção ocorria mais por ação e/ou omissão da Direção e menos pela ação individual dos presos”, escreveu o magistrado.

O Estadão apurou que o ex-governador chegou no quartel do Corpo de Bombeiros de Humaitá, na zona sul do Rio, por volta das 21 horas.

O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, foi transferido para o presídio dos bombeiros. Foto: Fabio Motta / Estadão

Cabral e outros presos tinham sido transferidos para o Complexo de Gericinó na terça-feira,3. Foram acusados de ter obtido, no cárcere, regalias ilegais – entre elas, comidas pedidas por aplicativo e anabolizantes.

A transferência ocorreu por ordem judicial. Foi decidida depois que, em 27 de abril, uma equipe de fiscalização da Vara de Execuções Penais encontrou indícios das supostas regalias no presídio de Niterói. Cabral estava preso lá desde setembro de 2021. Por causa dos mesmos indícios de favorecimento, também foi transferido para Bangu o tenente-coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira. Ele foi condenado a 36 anos de prisão pela morte da juíza Patrícia Acioli, em 2011. Os outros três presos foram levados para Bangu, na mesma transferência.

Segundo a Secretaria de Administração Penitenciária, o ex-governador, em Bangu, ficaria os dez primeiros dias isolado em uma cela de pouco mais de cinco metros quadrados. Também não teria direito a banho de sol.

COM A PALAVRA, OS ADVOGADOS DANIEL BIALSKI, PATRÍCIA PROETTI ESTEVES, TAYNA DUARTE PEREIRA E BRUNO BORRAGINE, QUE REPRESENTAM SERGIO CABRAL

A defesa de Cabral diz em nota que a “justiça mais uma vez imperou já que: foi reconhecido que a decisão de sua transferência, para além de estar pautada em mera presunção e achismos, fora determinada sem qualquer processo que a respaldasse, ou seja, inverteu-se o devido processo legal”.

“A defesa também destaca que, em relação ao ex-governador, a própria decisão do juízo da execução não relaciona e não descreve nenhum achado na cela nº 18 – que é a do Ex-Governador”, afirmou a nota.

Tudo o que sabemos sobre:

Sérgio Cabral

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.