Após recuo da PGR, Supremo forma maioria para rejeitar denúncia da Lava Jato contra Lira por propina de R$ 1,5 milhão

Após recuo da PGR, Supremo forma maioria para rejeitar denúncia da Lava Jato contra Lira por propina de R$ 1,5 milhão

Julgamento no plenário virtual tem placar de 7 a 0 para livrar presidente da Câmara de ação penal por corrupção; ministros avaliam que acusações não foram comprovadas

Rayssa Motta

10 de fevereiro de 2022 | 15h11

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria nesta quinta-feira, 10, para rejeitar uma denúncia de corrupção oferecida pela Lava Jato contra o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), na investigação de supostas propinas pagas ao Partido Progressista, caso que ficou conhecido como ‘Quadrilhão do PP’.

Documento

O julgamento está sendo travado no plenário virtual, plataforma que permite aos ministros analisarem os processos e incluírem os votos no sistema sem necessidade de reunião presencial ou por videoconferência. Até o momento, o placar é de 7 a 0.

O colegiado seguiu o entendimento do ministro Edson Fachin, relator do processo, para quem as acusações imputadas a Lira não ficaram comprovadas.

“É firme o posicionamento desta Suprema Corte pela inviabilidade formal de denúncia que não descreva minimamente a conduta atribuída ao denunciado. Isso não significa que o repasse indevido não tenha ocorrido em favor de algum líder partidário, mas diz com a ausência de descrição adequada das ações supostamente ilícitas praticadas”, diz um trecho do voto de Fachin.

O presidente da Câmara, Arthur Lira, foi acusado de receber R$ 1,5 milhão da Queiroz Galvão. Foto: Dida Sampaio/Estadão

O processo foi marcado por um recuo da própria Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre o oferecimento da denúncia. Em um primeiro momento, a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo considerou haver um conjunto de ‘provas que se somam, completam-se e formam um todo firme’ para embasar a denúncia contra Lira, pelo recebimento de R$ 1,5 milhões da construtora Queiroz Galvão no ano de 2012. Os valores, aponta a denúncia, teriam sido retirados de uma ‘caixa de propinas’ mantida pela empreiteira em favor do Partido Progressista.

Quase quatro meses depois, a PGR se manifestou em sentido oposto e pediu para excluir o deputado da denúncia. Em uma segunda avaliação após ouvir a defesa do parlamentar, Lindôra considerou ‘frágil’ o conjunto de provas contra Lira. Apesar da mudança de posicionamento, Fachin manteve o processo em pauta, sob argumento de o Ministério Público não pode desistir da ação penal.

Até o momento, o ministro foi acompanhado por Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia e Gilmar Mendes.

COM A PALAVRA, OS CRIMINALISTAS PIERPAOLO CRUZ BOTTINI E MARCIO PALMA, QUE REPRESENTAM ARTHUR LIRA

“A defesa do deputado estuda pedido de danos morais contra o colaborador premiado. Foram quatro denúncias baseadas em seus depoimentos, todas arquivadas por falta de provas. É inegável o dano à imagem do Presidente da Câmara, causado por depoimentos inverídicos, prestados por alguém movido por um desejo de vingança. É um caso a ser estudado, um exemplo de como uma delação sem provas pode ser danosa a uma pessoa.”

Tudo o que sabemos sobre:

Arthur Lira

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.