Sinto, logo existo!

Sinto, logo existo!

Janice Gonçalves*

03 de setembro de 2020 | 03h00

Janice Gonçalves. FOTO: DIVULGAÇÃO

Sobre a ampliação da consciência

Se as emoções são o caminho para a ampliação da consciência, a pergunta é:
Onde quero chegar?

Não há uma resposta certa, mas sim a resposta que faz sentido para cada um. Então, vou escrever este texto com base na minha resposta:

“Ser uma pessoa cada vez melhor!”

Sob este ponto de vista, não importa o ponto final e sim o caminho. Na melhor expressão da metafísica!

E ao ousar percorrer este caminho, descobri o papel fundamental das emoções. Isso porque elas promovem reflexões transformadoras que levam à ampliação da nossa visão sobre as coisas, o que nos permite decidir e agir de forma mais consciente.

Ainda no processo, agir leva às experiências, que por sua vez geram aprendizados. E quanto mais significativos os aprendizados, mais profundos, transformadores e relevantes para nossa vida!

Pois bem, vamos ao caminho…

Como a ideia é sentir, fui me dando conta de como os eventos da minha vida despertavam meus sentimentos. Não pensem que logo de cara consegui catalogar, descrever e dominar… O que, aliás, é um erro!

A nossa cultura e educação nos ensinam a sermos seres racionais no melhor exemplar do penso, logo existo.

Nada contra, a razão é essencial para o desenvolvimento humano, mas é o terceiro passo. Aprendi que evoluir no quesito maturidade, significa não pegar atalhos.

O primeiro passo é perceber, se colocar num estado de espírito no qual esteja conectado consigo mesmo, com a sua vida e as pessoas próximas. Como alguém que está caminhando, interrompe a viagem para beber água na fonte e se dá conta do seu reflexo espelhado…

Quase que simultaneamente vem o segundo passo. Ele traz consigo a sensação de experimentar um turbilhão de emoções, vezes agradáveis e por vezes bem desagradáveis, que podem nos fazer achar que a experiência não vale a pena.

Permita que as emoções apareçam no seu estado natural, sem a obrigação de ter que dar conta de compreendê-las rapidamente ou reagir de forma impulsiva. Acredite, pode parecer uma eternidade, mas ao dar esse espaço para suas emoções, elas logo se acomodam e você vai perceber que naturalmente vão te despertar à consciência.

Nesta condição, janelas de reflexão se abrirão e te farão buscar primeiro o sentido das coisas. E, sobre o sentido das coisas não estou dizendo sobre ter que encontrar o propósito da sua vida, nada disso!

Buscar o sentido das coisas é deixar que a consciência espontânea abra seus olhos e te faça ver coisas que não via antes. Gostaria muito de ter alguma experiência comum para poder comparar, de modo que você sinta o que quero dizer, então te convido a lembrar de algum momento da sua vida em que você sentiu que “a ficha caiu” ou disse “poxa, como eu não vi isso antes”!

É isso, só que mais intenso! Como se você tivesse absoluta certeza do que está vendo pela janela da reflexão. Momento em que percebemos como nós e os outros sentem, o que fazemos com que sentimos e os impactos que provocamos uns aos outros. E acredito que a recompensa de se lançar ao desconhecido é o despertar da consciência de que somos seres protagonistas.

Agora sim – e só agora – vem o terceiro passo, o da razão. Aquela bem cartesiana, recheada dos nossos conhecimentos, que nos dá instrumentos para decidir sobre como lidar seja lá com o que estejamos refletindo no momento.

Uma vez decidido, estaremos prontos para agir. Sim, entrar em ação é somente o quarto passo. E é justamente o passo que nos habilita a colocar em prática esse novo olhar, como uma excelente oportunidade de dar respostas novas aos velhos problemas da nossa vida.

E como a própria ciência diz que para toda ação há uma reação, os resultados das nossas experiências geram aprendizados que nos levam gradativamente rumo à maturidade, e nos faz pessoas cada vez melhores.

Nós, aqui do Grupo Bridge, somos apaixonados por construir projetos que proporcionem a experiência da reflexão transformadora. E as emoções sempre tiveram espaço livre no ambiente de cocriação que construímos.

Sabemos na prática como o caminho da ampliação da consciência é prazeroso e temos a certeza de que o sentir nos faz existir!

E você, o quanto sente-se vivo?

*Janice Gonçalves, consultora Grupo Bridge

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: