Sindicalista preso em operação da PF foi candidato a vereador em Sorocaba

Sindicalista preso em operação da PF foi candidato a vereador em Sorocaba

Ruy Queiroz de Amorim, alvo da Registro Espúrio, que mira os deputados Jovair Arantes (PTB), Paulinho da Força (SD) e Wilson Filho (PTB) e o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, concorreu nas eleições de 2016 na cidade do interior de São Paulo

José Maria Tomazela/SOROCABA

30 Maio 2018 | 15h18

Ruy Queiroz de Amorim. Foto: TSE

O sindicalista Ruy Queiroz de Amorim, preso na Operação Registro Espúrio, da Polícia Federal, nesta quarta-feira, 30, foi candidato a vereador pelo PTB, em Sorocaba, nas eleições municipais de 2016. Na época, ele era presidente do diretório municipal da sigla, mas não conseguiu os votos necessários para se eleger. Amorim foi presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio Varejista (Sincomércio), em Sorocaba, durante mais de 14 anos.

+ Servidores do Ministério do Trabalho já foram denunciados

O ex-deputado Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB e famoso por sua delação no processo do Mensalão, também é investigado.

A operação Registro Espúrio mira os deputados federais Jovair Arantes (PTB/GO), Paulinho da Força (SD/SP) e Wilson Filho (PTB/PB) e, ainda, o presidente nacional do PTB, Roberto Jéfferson, delator do Mensalão.

Paulinho ajudou Temer a tirar MST de fazenda de amigo ‘coronel’

Paulinho da Força pegou R$ 1 milhão em propina para dar ‘tutoria’ à Odebrecht

A PF busca desarticular uma organização criminosa suspeita de fraudes na concessão de registros de sindicatos junto ao Ministério do Trabalho. Foram cumpridos 64 mandados de busca e apreensão, 8 de prisão preventiva e 15 de prisão temporária.

Polícia quer autorização para investigar relator do impeachment em esquema de fraude em concurso

Em março deste ano, Amorim deixou a presidência, mas assumiu a 1.ª Secretaria do sindicato.

O sindicalista foi preso na manhã desta quarta-feira, 30, em sua casa, no Jardim Europa, zona oeste.
Depois de ser levado à delegacia da Polícia Federal de Sorocaba, onde foi ouvido, Amorim foi transferido para a Superintendência da PF em São Paulo.

A diretoria do sindicato manifestou ‘surpresa’ com a prisão e disse ter mobilizado seu departamento jurídico para acompanhar o caso.