Servidores condenam redução de salário por causa do coronavírus

Servidores condenam redução de salário por causa do coronavírus

Grupo que inclui União das Polícias do Brasil e Confederação Brasileira dos Trabalhadores Policiais Civis pede que outras medidas, como revisão do teto de gastos e acesso a linha de crédito dos Estados Unidos

Redação

25 de março de 2020 | 13h41

Nove associações de servidores públicos criticaram medidas discutidas pelo governo e Congresso sobre redução do salário do funcionalismo público durante a pandemia do coronavírus no Brasil. De acordo com as organizações, a ideia é ‘inaceitável’, ‘absolutamente descabida’ e ‘contraproducente’.

“Os servidores já deram sua cota de contribuição, pelo aumento da carga tributária que tiveram que suportar em decorrência das alíquotas progressivas de contribuição previdenciária, introduzidas pela EC109/19”, afirmam as entidades, se referindo à reforma da previdência, enviada pelo Planalto e aprovada pelo Congresso no ano passado.

Documento

As associações pedem que, ao invés de cortar do salário dos servidores, o Executivo e o Legislativo deveriam se debruçar sobre a possibilidade de revisão do teto de gastos, a suspensão do pagamento da rolagem da dívida pública por seis meses e acesso a uma linha de crédito providenciada pelos Estados Unidos.

“A ideia é disponibilizar o recurso para manter a máquina pública funcionando e permitir um padrão de consumo necessário para manter a economia em giro”, explicam. As entidades pedem ainda a suspensão temporária do pagamento das parcelas dos empréstimos consignados dos servidos públicos e aposentados do INSS por seis meses, sem acréscimo de juros.

Movimento Acorda Sociedade é um dos que assinam a nota. Foto: Divulgação

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: