Moro vai decidir sobre tornozeleira em Dirceu, diz juíza

Moro vai decidir sobre tornozeleira em Dirceu, diz juíza

Magistrada determinou que ex-ministro, solto pela Segunda Turma do STF, se apresente à 13ª Vara Federal do Paraná em cinco dias para dar continuidade ao cumprimento das medidas cautelares

Teo Cury e Dida Sampaio

27 Junho 2018 | 13h24

José Dirceu. Foto: DIDA SAMPAIO/ESTADAO

A juíza Leila Cury, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, determinou que o ex-ministro José Dirceu se apresente à 13ª Vara Federal do Paraná em cinco dias para dar continuidade ao cumprimento das medidas cautelares a ele impostas. De acordo com a juíza, caberá à Justiça do Paraná, onde atua o juiz Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, a “instalação de nova tornozeleira eletrônica, se o caso”.

Tribunal da Lava Jato nega recurso à União em processo sobre confisco de valores de Dirceu

O ex-ministro compareceu nesta manhã à Vara de Execuções Penais, em Brasília. Dirceu deixou o Complexo Penitenciário da Papuda na madrugada desta quarta-feira, após ganhar liberdade em decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal.

“Ele deverá permanecer à disposição do Juízo da 13ª Vara Federal da Seção Judiciária do Paraná, para dar continuidade ao cumprimento das medidas cautelares diversas da prisão preventiva anteriormente impostas, inclusive para instalação de nova tornozeleira eletrônica, se o caso”, escreveu a juíza.

Em sua decisão, a juíza lembrou que, ao ingressar no presídio, Dirceu estava sob monitoramento eletrônico. Ao ser preso, o aparelho foi desinstalado e permanece sob a guarda da Subsecretaria Do Sistema Penitenciário Do Distrito Federal para restituição ao respectivo gestor.

Copa – Ao sair do prédio, Dirceu foi abordado pela imprensa que o aguardava e evitou responder perguntas. Somente quando questionado sobre o palpite para o jogo de logo mais do Brasil contra Sérvia, o ex-ministro respondeu: “um a zero está bom”.

Mais conteúdo sobre:

José DirceuSTF