Sérgio Cabral recebeu mesada de R$ 1 milhão após campanha de 2006, dizem executivos da Odebrecht

Sérgio Cabral recebeu mesada de R$ 1 milhão após campanha de 2006, dizem executivos da Odebrecht

Os executivos da Odebrecht Benedicto Barbosa da Silva Júnior e João Borba Filho, relataram que o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), recebeu R$ 3 milhões para a campanha de 2006; Como os citados não podem ser investigados no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Edson Fachin determinou que os depoimentos sejam encaminhados para a Procuradoria Geral da República do Rio

Breno Pires, Alexandre Hisayasu, Luiz Vassallo e Júlia Affonso

11 de abril de 2017 | 22h29

Sérgio Cabral Foto: Rodrigo Felix/Gazeta do Povo

Sérgio Cabral Foto: Rodrigo Felix/Gazeta do Povo

Os executivos da Odebrecht Benedicto Barbosa da Silva Júnior e João Borba Filho, relataram que o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), recebeu R$ 3 milhões para a campanha de 2006. Posteriormente, pediu mais R$ 12 milhões, que foram pagos em parcelas de R$ 1 milhão via caixa 2.Em troca, o então governador prometeu beneficiar o Grupo Odebrecht em projetos de infraestrutura no no Estado.

Documento

Segundo os delatores, além de Cabral, o secretário de governo, Wilson Carlos Cordeiro, e os assessores Maria Auxiliadora Pereira Carneiro e Pedro Ramos Miranda, também receberam dinheiro ilícito.

Como os citados não podem ser investigados no Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Edson Fachin determinou que os depoimentos sejam encaminhados para a Procuradoria Geral da República do Rio. “Afirmando que não existe menção a crimes praticados por autoridades detentoras de foro por prerrogativa de função nesta Corte, requer o Procurador-Geral da República o reconhecimento da incompetência do Supremo Tribunal Federal para a apuração dos fatos, enviando-se os citados termos à Justiça Federal do Rio de Janeiro.”

Tudo o que sabemos sobre:

Lista de FachinSérgio Cabral

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.