Sérgio Cabral chega a Curitiba

Sérgio Cabral chega a Curitiba

Ex-governador foi transferido do Rio para o Paraná, onde já estão Vaccari, Duque, Eduardo cunha e outros condenados na maior operação já deflagrada contra a corrupção no País

Roberta Jansen / RIO

18 Janeiro 2018 | 18h35

Na foto, Sérgio Cabral deixa o presídio de Benfica, no Rio, e entra no camburão para seguir para o aeroporto. Foto Domingo Peixoto /Agência O Globo

*Texto atualizado às 22h17

O ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB), condenado a 87 anos de reclusão, chegou a Curitiba na noite desta quinta-feira, 18, para onde foi transferido após a Justiça reconhecer regalias na prisão. Cabral deixou a cadeia pública José Frederico Marques, em Benfica, na Zona Norte, por volta das 18h30 desta quinta. O emedebista permanecerá no Complexo Médico-Penal, em Pinhais, região metropolitana de Curitiba.

As regalias de Sérgio Cabral provocaram sua remoção para o Paraná. Nesta quinta, o juiz Sérgio Moro ordenou a transferência para o Complexo Médico-Penal, em Pinhais. A juíza Caroline Vieira Figueiredo, da 7.ª Vara Federal, do Rio, também determinou a remoção do ex-governador e assinalou que ‘os presos do colarinho branco não podem, de forma nenhuma, ter tratamento mais benéfico que outros custodiados’.

Relatório do Ministério Público do Rio apontou luxos e muitas regalias na cadeia de Benfica, onde Cabral estava preso. A 11.ª Promotoria de Investigação Penal fiscalizou a prisão em 24 de novembro do ano passado.

O alvo dos promotores era a Galeria C – composta de 9 celas, identificadas como ‘C1’ a ‘C9’ – destinada a presos provisórios e onde estão alvos da Lava Jato, no Rio. Após denúncia anônima, a Promotoria apurou o ingresso clandestino de ‘alimentação provinda de conhecidos restaurantes’.

Durante a fiscalização, a Promotoria apreendeu todos os alimentos que ‘não estavam acondicionados em sacos plásticos ou embalagens plásticas transparentes’.

“Em todas as celas da galeria ‘C’ se pôde perceber a existência das “galerias artesanais”, contendo comidas semiprontas, embaladas da mesma forma, com cardápio similar, indiciando uma espécie de distribuição em lote para os presos daquela galeria”, indicou o relatório.

O relatório identificou que o ‘padrão’ da galeria C não foi encontrado nas galerias ‘A’ e ‘B’.

“Todas as celas da galeria “C” são guarnecidas com purificadores de água de mesmo padrão, aparentando fornecimento único. As celas das galerias “A” e “B”, também destinadas a presos com direito à prisão especial, não contam com o mesmo equipamento, em sua grande maioria. Os presos da galeria “C” utilizam colchões de padrão diferente dos habitualmente disponibilizados aos demais detentos – comuns ou especiais – pela Seap”, afirmou a Promotoria.

Mais conteúdo sobre:

Sérgio Cabraloperação Lava Jato