‘Será que abandonamos toda e qualquer dignidade?’, questiona Moro

‘Será que abandonamos toda e qualquer dignidade?’, questiona Moro

Três dias depois de fazer depoimento de mais de oito horas na Polícia Federal e ratificar denúncias contra Bolsonaro de ingerência na corporação, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública publica desabafo no Twitter contra fake news que o atingem

Pepita Ortega e Fausto Macedo

05 de maio de 2020 | 09h56

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Foto: Dida Sampaio / Estadão

O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro se manifestou mais uma vez em sua conta no Twitter sobre ser alvo de fake news após a saída do governo Jair Bolsonaro. “Será que abandonamos toda e qualquer dignidade?”, questionou o ex-juiz ao compartilhar uma notícia que desmente o boato de que o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Ayres Britto publicou carta pública dizendo que Moro foi infiltrado no governo. O próprio Ayres Britto apontou que a carta é falsa.

No último dia 26, Moro havia dito que tem visto ‘uma campanha de fake news nas redes sociais e em grupos de whatsapp para desqualifica-lo’. “Não me preocupo; já passei por isso durante e depois da Lava Jato. Verdade acima de tudo. Fazer a coisa certa acima de todos”, afirmou o ex-juiz na ocasião, em clara referência ao lema do governo Jair Bolsonaro.

Moro tem sido ativo nas redes sociais desde que deixou o governo, e reiterado acusações e críticas ao presidente Jair Bolsonaro. No fim de semana seguinte a sua saída do governo compartilhou uma campanha do Ministério da Justiça. “Faça a coisa certa, pelos motivos certos e do jeito certo” foi o lema de campanha de integridade que fizemos logo no início no MJSP”, afirmou.

A campanha foi citada no pronunciamento em que Moro anunciou sua saída do Ministério da Justiça e Segurança Pública e acusou o presidente Jair Bolsonaro de tentar interferir politicamente no comando da Polícia Federal para obter acesso a informações sigilosas e relatórios de inteligência. “O presidente me quer fora do cargo”, disse Moro, ao deixar claro que a saída foi motivada por decisão de Bolsonaro.

No último fim de semana, o ex-ministro afirmou em seu Twitter que que ‘há lealdades maiores do que as pessoais’ após ter sido chamado de ‘Judas’ pelo presidente Jair Bolsonaro e apoiadores do governo. Na noite de sábado, 2, o ex-juiz da Lava Jato concluiu depoimento de mais de oito horas no inquérito que apura suas acusações de interferência política na corporação.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.