Sepúlveda critica ‘rapidez’ do Tribunal da Lava Jato com Lula

Sepúlveda critica ‘rapidez’ do Tribunal da Lava Jato com Lula

Advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), disse nesta segunda-feira (11) que o petista está sofrendo uma 'injustiça'

Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo/ BRASÍLIA

11 Junho 2018 | 19h18

FOTO PABLO VALADARES/AE

BRASÍLIA – O ex-ministro Sepúlveda Pertence, advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), disse nesta segunda-feira (11) que o petista está sofrendo uma “injustiça”.  Sepúlveda também criticou o fato de o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) ter levado um tempo similar (cerca de 42 dias) para analisar a condenação imposta pelo juiz federal Sérgio Moro e enviar a notificação do Ministério Público Federal para se manifestar sobre a admissão de recursos da defesa aos tribunais superiores.

+ Fachin quer ouvir PGR antes de decidir sobre pedido de Lula para suspender prisão

“O tribunal levou 40 dias, ao contrário da rapidez com que julgou, pra intimar o Ministério Público pra responder (aos recursos). A velocidade varia conforme o ato”, disse Sepúlveda, após audiência com o ministro Edson Fachin no Supremo Tribunal Federal (STF).

+ FHC depõe por Lula na ação do sítio de Atibaia

Lula foi condenado em segunda instância a 12 anos e 1 mês pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex no Guarujá.

+ Em carta, Lula diz que reencontro com o povo brasileiro só não ocorrerá se ele morrer

A defesa do ex-presidente, preso há mais de dois meses em Curitiba (PR), entrou no dia 5 de junho com um novo novo pedido de liberdade no Supremo Tribunal Federal (STF) e Superior Tribunal de Justiça (STJ). A petição é para que as Cortes suspendam os efeitos da condenação no caso do triplex no Guarujá até que julguem no mérito os recursos extraordinário (analisado no STF) e especial (do STJ).

Os recursos, contra a condenação que resultou na prisão de Lula, ainda precisam ser admitidos pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), que já rejeitou a concessão de efeito suspensivo no caso.

“O nosso cliente tá sofrendo uma injustiça e uma prisão que se diz confortável, mas nunca é confortável uma prisão em solitária, como ele está. E injusta”, disse Sepúlveda Pertence. (Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo)