Semear a Constituição

Semear a Constituição

João Linhares*

24 de agosto de 2021 | 05h30

João Linhares. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Urge plantar mais a fundo a semente

do amor à democracia,

regando-a, diariamente,

com as lágrimas do pretérito

e do presente!

Com passos firmes

e omissão ausente.

Com tolerância e pluralismo.

Respeito às instituições e legalismo.

Regar a democracia conquistada

com o pranto dos perseguidos na ditadura,

das mães que perderam seus rebentos,

das viúvas,

dos exilados e desvalidos.

Do sangue vertido em cada pau de arara.

Há, ainda, quem disso tudo duvida!

Ensandecidos…

Temos que arar a terra da nossa alma,

arar o jardim institucional da nossa República,

revolver as coisas,

assentar a poeira,

plantar flores

e solapar tantos horrores.

Enquanto contemplo as araras,

eu aro esse jardim,

Mas tu não aras.

Tu não aras!

E isso frustra, envergonha,

indigna, conspurca.

Esse jardim precisava tanto de suas mãos,

e o que elas araram?

O que elas regaram?

Que vidas ajudaram?

Tudo isso, porque,

penosamente,

tristemente,

tu não aras…

*João Linhares, promotor de Justiça do Ministério Público de MS, mestre em Garantismo e Processo Penal pela Universidade de Girona – Espanha, especialista em Controle de Constitucionalidade e Direitos Fundamentais pela PUC – RJ. Membro da Academia Maçônica de Letras de MS

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.