Sem agência da Caixa, moradores de cidade isolada do Amazonas começam a sacar auxílio emergencial depois de um mês de espera e de atuação da Defensoria

Sem agência da Caixa, moradores de cidade isolada do Amazonas começam a sacar auxílio emergencial depois de um mês de espera e de atuação da Defensoria

Redação

07 de maio de 2020 | 15h09

Foto: Reprodução / Google Earth

Após quase um mês do início do calendário do pagamento do auxílio emergencial, os moradores de Apuí, a 347 km de Manaus, começaram a receber nesta terça, 5, o benefício de R$ 600 disponibilizado em razão da pandemia do novo coronavírus. Localizada no Sul do Amazonas, a cidade de 21,9 mil pessoas não possui agência da Caixa Econômica Federal e viu sua única lotérica reabrir, esta semana, depois de intervenção da Defensoria Pública do Estado.

A lotérica de Apuí estava fechada desde 20 de março, porque o proprietário possuía uma dívida que precisava ser renegociada junto à Caixa no município vizinho, Humaitá. A cidade, no entanto, estava isolada, devido à queda de uma ponte e problemas na estrada que liga a cidade à região vizinha.

Segundo a defensora pública Stefanie Sobral, que atuou no caso, foram feitas diligências em parceria com a Câmara de Vereadores do município e a Prefeitura local, para que a dívida do empresário fosse renegociada e a lotérica reaberta.

A defensora Stefanie Sobral. Foto: Reprodução

“Nós buscamos informações junto à superintendência regional da Caixa e atuamos de maneira extrajudicial para que fosse feita a renegociação, o que possibilitaria o pagamento da dívida. Os beneficiários do Bolsa Família e, agora, do Auxílio Emergencial, não estavam recebendo. Só há uma agência do Bradesco na cidade. Como a lotérica era o correspondente da Caixa, a população estava sem receber nada, o que vinha agravando ainda mais a situação de vulnerabilidade social dos beneficiários”, conta a defensora pública.

Após a reabertura, a Defensoria Pública, em parceria com o Ministério Público Estadual, expediram recomendação à lotérica para que adote medidas de proteção aos funcionários e clientes diante do risco de transmissão do coronavírus.

Dentre as solicitações estão o ordenamento das filas de espera por atendimento, com respeito ao distanciamento social, cuidados de higienização do estabelecimento, além de distribuição de materiais de higiene pessoal, como álcool gel, para os clientes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.