Selva diplomática

Selva diplomática

Flavio Goldberg*

13 de junho de 2021 | 09h00

Alberto Fernández. FOTO: AGUSTIN MARCARIAN/REUTERS

Parafraseando o grupo musical Racionais, “Vim da Selva sou leão sou demais pro seu quintal”. Com seus milhões de infectados e quase 100 mil mortos pela Covid19, ao invés de tentar limpar seu quintal, Alberto Fernandez prefere em uma frase xenofóbica digna de incidente diplomático atacar os brasileiros falando que viemos da Selva e eles, argentinos como lordes vieram em seus elegantes barcos.

Diga-se de passagem o quintal do presidente argentino não está nada limpo e não é de hoje, em 2019 acusado pelo mais respeitado jornalista de seu país, Hugo Alconada Mon no periódico Lá Nacion, pela relação obscura com seu amigo de faculdade, o advogado Adrian Rioz que trabalhou com Fernández na Faculdade de Direito da Universidade de Buenos Aires, estaria praticando tráfico de influência ao defender a Creditiba, entidade investigada por lavagem de dinheiro, o presidente limitou-se a atacar o jornalista pela plataforma digital Twitter, desqualificando a mídia e jogando assim para debaixo do tapete o problema.

Flavio Goldberg. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Quanto a sua vice-presidente de honra e “de juri”, mas Chefe de Estado de fato, Cristina Kirchner, menciona-la ladeando ela, seu governo e os que lhe cercam com corrupção seria um pleonasmo.

Enquanto o Brasil vive a mais alta polarização política com ataques mútuos entre direita e esquerda, ter que nos preocupar agora com a bipolarização internacional é uma afronta.

O contato de proximidade de nossos militares com a selva amazônica (está sim, que devemos nos preocupar com líderes de países que enxergam um local apátrida), fez surgir a expressão de cumprimento militar “Selva”, que se coloque então desta maneira para que nossos militares como “Leões” ajudem nos guiar em defesa de nossa Amazonas e no combate ao Covid19, quanto a neurastenia de nosso vizinho, nos resta lamentar sua incitação ao ódio em tempos de guerra pandêmica.

*Flavio Goldberg, advogado e mestre em Direito

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.