Seis meses após Alba Branca revelar Máfia da Merenda, deputados abrem CPI em São Paulo

Seis meses após Alba Branca revelar Máfia da Merenda, deputados abrem CPI em São Paulo

Investigação aponta para suposto envolvimento de ex-assessores do governo Alckmin e também para o presidente da Casa, deputado Fernando Capez (PSDB), que nega ligação com organização que fraudou licitações em pelo menos 37 prefeituras e mirava em contratos da Educação estadual

Mateus Coutinho, Fausto Macedo e Julia Affonso

22 de junho de 2016 | 11h38

Assembleia Legislativa de São Paulo. Foto: Paulo Liebert/AE

Assembleia Legislativa de São Paulo. Foto: Paulo Liebert/AE

Atualizado às 12h19

Após seis meses das primeiras denúncias de fraude em licitações da merenda da rede pública estadual e em pelo menos 37 prefeituras, a Assembleia Legislativa de São Paulo vai instalar nesta quarta- feira, 22, às 15h, a CPI da Máfia da Merenda.

Alvo de investigações do Ministério Público Estadual e da Polícia Civil, a Máfia da Merenda foi desmantelada pela Operação Alba Branca, em janeiro. aponta indícios de envolvimento de ex-integrantes do governo Geraldo Alckmin (PSDB), como o ex-chefe-de-gabinete da Casa Civil Luiz Roberto dos Santos, o ‘Moita’, e o ex-chefe-de-gabinete da Secretaria da Educação, Fernando Padula, atual diretor do Arquivo Público – ambos, ‘Moita’ e Padula ligados ao PSDB.

[veja_tambem]

A investigação revela que ‘Moita’ fazia de sua sala, no Palácio dos Bandeirantes, contatos com integrantes da organização que fraudava licitações em administrações municipais e mirava também em contratos da Educação estadual.

Alba Branca aponta também para o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Fernando Capez. O lobista Marcel Julio, delator, disse que destinou parte de propinas para a campanha do tucano, em 2014. Capez teve o sigilo bancário e fiscal quebrado pelo Tribunal de Justiça do Estado. Ele nega com veemência ligação com o grupo. Afirma que não recebeu dinheiro ilícito e que ele próprio abriu mão espontaneamente de seus dados pessoais, tanto bancários quanto tributários.

Dos nove integrantes da CPI, a oposição tem apenas um representante, o deputado Alencar Santana Braga, do PT, como titular, e Luiz Turco na suplência.
Com a instalação da CPI, nesta quarta-feira, 22, os integrantes devem escolher o presidente e relator dos trabalhos.

Tudo o que sabemos sobre:

AlespGeraldo AlckminOperação Alba Branca

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: