Secretário da Câmara quer investigação sobre visita de esfaqueador de Bolsonaro em 2013

Secretário da Câmara quer investigação sobre visita de esfaqueador de Bolsonaro em 2013

Deputado JHC enviou ofício à Polícia Legislativa pedindo detalhes da ida de Adélio Bispo à Casa, cinco anos atrás

Luiz Vassallo

10 Setembro 2018 | 18h32

Reprodução

O deputado federal João Henrique Caldas (PSB), o JHC, terceiro Secretário da Câmara, enviou ofício à Polícia Legislativa pedindo detalhes da visita do esfaqueador de Jair Bolsonaro (PSL) na Casa em 6 de agosto de 2013. A informação foi revelada pelo site O Antagonista e confirmada pelo Estadão.

Bolsonaro segue em estado grave e precisará de nova cirurgia, dizem médicos

Documento

“Com os cordiais cumprimentos, sirvo-me do presente expediente para solicitar os detalhes da visita do então autor da tentativa de assassinato a um parlamentar membro dessa Casa, o Deputado Federal Jair Bolsonaro”, afirma o parlamentar em ofício encaminhado a Paul Pierre Deeter, diretor da Polícia Legislativa.

Pesquisa Ibope: Em São Paulo, Bolsonaro mantém patamar de votos após ataque

Segundo o parlamentar, no documento, o pedido foi feito para ‘apurar mais informações sobre o agressor, sobre para onde disse que iria, para onde de fato se dirigiu após passar pelo balcão de identificação, tudo isso com vistas à garantia da ordem democrática e da defesa institucional dos membros do Poder Legislativo Federal’.

Polícia Federal descarta participação de mulher em ataque a Jair Bolsonaro

Investigação. Nesta segunda, 10, a Polícia Federal informou que está analisando ‘dados financeiros’ de Adélio Bispo Oliveira, 40 anos, esfaqueador do candidato à Presidência, nas eleições 2018, Jair Bolsonaro (PSL). O rastreamento faz parte de uma série de diligências da PF para ‘identificar todas as possíveis conexões e motivações do crime’.

Telefonemas. O diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, disse aos filhos de Jair Bolsonaro (PSL), os deputados Flávio (estadual) e Eduardo (federal), que vai investigar os celulares de Adélio Bispo, preso em flagrante pelo ataque ao presidenciável. Os três conversaram em Brasília, na sede da PF.

Mais conteúdo sobre:

Jair Bolsonaro