Se não sabe o que falar, silencie!

Se não sabe o que falar, silencie!

Renata Abreu*

08 de agosto de 2021 | 06h00

Renata Abreu. FOTO: DIVULGAÇÃO

A relação pai/filho(a) é singular e intransferível. São muitas as variáveis que atuam nessa convivência, tanto que é comum irmãos terem visões diferentes sobre essa relação. A minha não é a melhor ou a pior, mas é a minha, construída com amor, respeito e admiração.

Tenho na memória, perpetuada pelas fotos de família, minha expressão de felicidade na infância, eu sentada no colo de meu pai toda sorridente e segura de que nada de ruim poderia me acontecer. Lembro das noites em que ele não voltava para casa, por causa do trabalho, e eu ficava sem entender sua ausência. Hoje sei o quão difícil deve ter sido renunciar a muita coisa para se tornar pai e formar uma família linda, unida e feliz.

Acho que nunca perguntei ao meu pai qual o seu maior sonho, ou o que mais gostaria de ter feito na vida. Só sei que ele nunca deixou faltar nada em casa, principalmente amor, disciplina, respeito e até castigo, quando necessário.

Meu amado José de Abreu deve ter se questionado muitas vezes se alguma atitude tomada foi a mais correta, ou o que mais poderia ter feito para garantir um futuro melhor para mim e minha irmã. Pode ser que tenha se sentido incapaz em muitas ocasiões, achando que não tinha feito o suficiente. Mas estou aqui para dizer que meu pai não só fez o suficiente, foi muito além.

Os valores ensinados por ele me deram base para construir a minha personalidade, calcada no diálogo, respeito, empatia e humildade. É por isso que hoje sinto que estou perdendo a fé na humanidade. Me refiro à infeliz declaração do presidente Jair Bolsonaro sobre o prefeito de São Paulo Bruno Covas. Foi desumana! E infeliz!

Vivemos um tempo muito sofrido, e se torna urgente respeitar a dor de filhos que perderam os pais, de pais que perderam filhos, independentemente da causa da morte. Antes de atacar, desmerecer, tripudiar, coloque-se no lugar do outro, destrinchando toda a situação vivenciada pela pessoa, entendendo seu ponto de vista e suas ações. Precisamos ter empatia e respeitar os momentos de extrema vulnerabilidade das pessoas. Se não sabe o que falar, silencie!

Bruno Covas, sabendo que teria poucas semanas de vida, fez com seu filho uma despedida, indo ao Maracanã assistir a última partida do time de coração deles, o Santos. Homem público, que exerceu uma das profissões mais bonitas e importante do planeta, Bruno foi acima de tudo pai, na grandeza de seu amor por Tomás Covas Lopes. Merece respeito!

Feliz Dia, José de Abreu, Bruno Covas (em memória) e demais pais do Brasil, é o amor de vocês que transforma o futuro de seus filhos!

*Renata Abreu é presidente nacional do Podemos e deputada federal por São Paulo

Tudo o que sabemos sobre:

ArtigoDia dos Pais

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.