Saúde corporativa e gestão de pacientes crônicos

Saúde corporativa e gestão de pacientes crônicos

Olivia Couto*

22 de julho de 2021 | 05h45

Olivia Couto. FOTO: DIVULGAÇÃO

As doenças crônicas são enfermidades multifatoriais que se desenvolvem no decorrer da vida e podem causar danos irreversíveis à saúde. Habitualmente, estas doenças são de longa duração, progressão lenta e estão entre as que mais afetam a população brasileira, sendo consideradas hoje um problema de saúde pública.

Na última pesquisa Vigitel (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), em 2019, o Ministério da Saúde traçou o perfil do brasileiro em relação às doenças crônicas de maior incidência no país: 7,4% têm diabetes, 24,5% têm hipertensão arterial e 20,3% estão obesos.

Dentre as mais recorrentes, foram também destacadas na pesquisa: depressão, disfunções na tireoide, ansiedade, câncer, asma, AVC, Alzheimer, Parkinson etc. A cronicidade destas comorbidades pode estar associada a fatores genéticos, congênitos ou fatores de risco individuais, como o tabagismo, o consumo excessivo do álcool, a má alimentação e o sedentarismo.  Com o acompanhamento correto, é possível controlar e prevenir muitas dessas doenças.

Ante o exposto, cabe ressaltar que, pela ótica corporativa, a saúde e o bem-estar, tanto físico quanto mental, relacionam-se diretamente com o desempenho do trabalhador. Os empregadores mais atentos observam a importância de investir em programas de gestão de saúde. A condução inadequada das doenças crônicas contribui de forma relevante para o aumento dos custos assistenciais com plano de saúde, apólices de seguro, além da ampliação do absenteísmo.

Em contrapartida, visando à promoção, proteção e recuperação da saúde, os empregados melhoram a qualidade de vida, permanecendo ativos e produtivos na sociedade. Para o gerenciamento eficaz, é fundamental o conhecimento detalhado da saúde dos seus funcionários.

Com base no extrato de utilização do plano de saúde, as etapas para o sucesso do programa consistem na Identificação, Triagem, Definição dos Grupos e Controle daqueles que são saudáveis para que se mantenham assim, os que apresentam riscos para que mudem seus hábitos e comportamentos, e para que os crônicos fiquem estabilizados.

O acompanhamento de pacientes crônicos através de uma empresa com equipe multidisciplinar, especializada e experiente, associada à tecnologia e pessoalidade, corroboram para a redução dos custos diretos e indiretos com saúde, sendo provável o retorno sobre o investimento.

É importante lembrar que os pacientes crônicos precisam de cuidados especiais na pandemia de Covid-19 e, por este motivo, através da telemedicina é possível atendê-los, mantendo o isolamento social. Além disso, é feito um estudo do perfil etiológico da população e dos trabalhadores de uma atividade econômica, para determinar a carga das doenças crônicas.

Dessa forma, é possível prevenir alguns agravamentos através de prognósticos, com a finalidade de minimizar os impactos negativos das medidas previdenciárias.

*Olivia Couto, advogada e diretora de Labor & Retirement Solutions da BMS Projetos & Consultoria

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.