Saúde 4.0: plataforma de e-commerce personalizada é tendência em 2021

Saúde 4.0: plataforma de e-commerce personalizada é tendência em 2021

Lucas Galvão*

13 de abril de 2021 | 03h15

Lucas Galvão. FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Com a chegada da pandemia em 2020, já é sabido que muitas empresas e pessoas precisaram mudar a forma de operar e viver. Mas com o passar dos meses em quarentena e o fechamento do comércio, o problema financeiro começou a afetar muitas pessoas, fazendo com que o isolamento social se tornasse um problema para um grande número de brasileiros.

Assim, o mundo digital foi uma alternativa para empresas se reinventarem. Para se ter uma ideia, de acordo com uma expectativa realizada pela Ebit|Nielsen, as vendas do e-commerce brasileiro em 2021, podem atingir o faturamento de R$110 bilhões, um crescimento de 26%.

E na área da saúde, não foi diferente. A compra de medicamentos (pessoa física) e de produtos médicos (profissionais da área) também apresentou um crescimento. E além de precisar seguir todas as exigências da Anvisa, é necessário adotar boas práticas, como: mostrar valor do frete, política de troca, armazenagem adequada, ter transportadoras autorizadas pela Anvisa, ter cuidado com propagandas de produtos isentos de prescrição médica, entre outras práticas, incluindo proteção de dados.

Com este cenário, por que não investir em uma plataforma de e-commerce personalizada para área da saúde? Durante a pandemia, assim como as outras áreas como citamos acima, as distribuidoras de saúde precisam manter a equipe trabalhando, mas muitas vezes não apresentam um sistema em nuvem que guardam todas as informações necessárias para o trabalho, dificultando o home office. É neste momento que uma plataforma pode organizar a logística, onde o vendedor, área de marketing e diretoria, por exemplo, ficam conectados de qualquer local, mantendo o e-commerce dentro dessa ferramenta.

Além disso, é possível que essas plataformas sejam adaptáveis de acordo com a cara do cliente, saindo um pouco da caixinha analógica e passando a centralizar todas as informações no e-commerce, gerando integração com a logística. Funciona como uma solução baseada em Design Thinking, também focada na gestão comercial, que pode fazer pedidos, faturamento, contato em tempo real com o cliente.

A  importância de migrar para o digital já se tornou uma realidade em todos os segmentos, mas é fundamental prestar atenção na proteção de dados e segurança nesses processos, principalmente para a área da saúde que pode impactar vidas.

*Lucas Galvão é especialista em cibersegurança e CEO da Mission Command

Tudo o que sabemos sobre:

Artigo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.