Rui Falcão diz à PF que ‘bom projeto de País’ explica doações ao PT de empreiteiras investigadas na Lava Jato

Rui Falcão diz à PF que ‘bom projeto de País’ explica doações ao PT de empreiteiras investigadas na Lava Jato

Presidente do partido depôs em inquérito e afirmou que 'não se recorda' em que momento PT procurou as empresas para pedir recursos

Beatriz Bulla, Gustavo Aguiar e Julia Affonso

18 de dezembro de 2015 | 22h12

Rui Falcão. Foto: Gabriela Bilo/Estadão

Rui Falcão. Foto: Gabriela Bilo/Estadão

O presidente do PT, Rui Falcão, explicou, em depoimento prestado à Polícia Federal no âmbito da Lava Jato, que as empreiteiras OAS, Odebrecht, Queiroz Galvão, Camargo Correa e UTC são as maiores doadoras do partido porque a legenda “tem um bom projeto para o País”. Todas as empresas são investigadas por envolvimento no esquema de corrupção da Petrobrás.

Falcão afirmou também que não recorda em que momento o PT procurou as empresas investigadas para obter doações, e reiterou à Polícia Federal que as contas das duas campanhas da presidente Dilma Rousseff foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

[veja_tambem]

Indagado pelos investigadores se vê alguma razão especifica para que tantos réus colaboradores na Operação Lava Jato apontem o PT como beneficiário do esquema de corrupção, Falcão respondeu que acredita haver uma tentativa de criminalização do partido. O petista voltou a afirmar que acredita na inocência do tesoureiro João Vaccari Netto, condenado por lavagem de dinheiro, corrupção e associação criminosa.

O depoimento foi colhido em 8 de dezembro na sede da Polícia Federal em Brasília dentro do inquérito da Lava Jato que investiga parlamentares, ex-parlamentares e dois operadores do esquema. Falcão foi ouvido como informante e não é investigado no esquema.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.