Rosa nega liminar para obrigar Câmara a esclarecer direitos da ‘ala bolsonarista’ suspensa do PSL nas eleições internas antes da votação

Rosa nega liminar para obrigar Câmara a esclarecer direitos da ‘ala bolsonarista’ suspensa do PSL nas eleições internas antes da votação

Deputado Major Vitor Hugo entrou com mandado de segurança no Supremo Tribunal Federal em uma tentativa de garantir que matéria fosse analisada antes do votação na segunda-feira, 1º; ministra entendeu não haver requisitos para concessão da liminar

Rayssa Motta

31 de janeiro de 2021 | 20h24

A ministra Rosa Weber, vice-presidente do Supremo Tribunal Federal. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou neste domingo, 31, a concessão de uma liminar para obrigar a Câmara dos Deputados a esclarecer os efeitos da penalidade administrativa aplicada pela cúpula do PSL aos integrantes da chamada ‘ala bolsonarista’ do partido antes das eleições internas no Congresso Nacional, marcadas para a próxima segunda-feira, 1º.

O pedido foi protocolado na noite de sexta-feira, 29, pelo deputado federal Major Vitor Hugo (PSL-GO). O ex-líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara foi um dos 17 deputados federais suspensos da sigla por infidelidade partidária. O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), manteve os mandatos e a possibilidade de ocuparem vagas em comissões e no Conselho de Ética da Câmara. A controvérsia levada ao Supremo gira em torno do direito deste grupo de parlamentares de participar das listas de adesão a blocos partidários na disputa pelas eleições para a Mesa Diretora.

“Esses questionamentos possuem grande relevância para as eleições para a Mesa Diretora da Câmara dos Deputados e, por consequência, para a representação proporcional do PSL na Mesa. Isso porque, a depender da resposta a ser dada, permitindo-se ou não a assinatura dos suspensos nas listas de adesão, o PSL – que conta com a maior bancada da Câmara dos Deputados – integrará um ou outro bloco parlamentar nas eleições para a Mesa Diretora. E, por outro lado, permitirá (ou não) a candidatura dos parlamentares apenas de participarem do pleito na condição de candidatos”, diz a petição encaminhada ao STF.

Major Vitor Hugo, ex-líder do governo na Câmara Foto: Dida Sampaio/Estadão

Em análise preliminar, a ministra, que assumiu a direção do tribunal durante as férias do presidente Luiz Fux, considerou não haver requisitos que justifiquem a concessão da liminar.

“Nessa ótica, reafirmando o caráter precário da cognição sobre o pedido de medida liminar, e observadas as estritas balizas da impetração, voltada contra o deferimento do prazo de duas sessões legislativas para a devolução de pedido de vista formulado no curso do processamento de requerimentos dirigidos à Mesa Diretora da Câmara dos Deputados, não identifico os requisitos justificadores de sua concessão. Ante o exposto, indefiro o pedido de medida liminar”, diz um trecho do despacho.

O caso ainda será analisado pelo ministro Kassio Nunes Marques, definido relator, na volta das férias coletivas.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Antes de ser judicializada, a questão começou a ser discutida internamente, mas foi travada por um pedido de vista do presidente do PSL, Luciano Bivar (PE). O prazo para retomada da análise foi de duas sessões parlamentares – o que joga a resolução para depois das eleições. Ao Supremo, Vitor Hugo argumentou que o prazo é ‘abusivo e ilegal’.

Em dezembro, Luciano Bivar anunciou pré-candidatura à presidência da Câmara. Duas semanas depois, participou do ato em que partidos de oposição ao governo federal anunciaram adesão ao bloco de Maia em torno da candidatura do deputado Baleia Rossi (MDB-SP). Na semana passada, deputados da ala dissidente do PSL se uniram para obter maioria e mudar o posicionamento do  partido, que passou a apoiar Arthur Lira (PP-AL), nome do Planalto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.