‘Rompeu a confiança com este juízo’

‘Rompeu a confiança com este juízo’

Leia a ordem de prisão expedida pela 21ª Vara Criminal da Barra Funda contra Luís Alexandre de Magalhães, apontado como operador da Máfia do ISS em São Paulo

Paulo Roberto Netto

27 Novembro 2018 | 18h18

Em 2015, Magalhães foi preso em flagrante recendo R$ 70 mil de um ex-colega Foto: Alex Silva/Estadão

Luís Alexandre Cardoso de Magalhães, apontado pelo Ministério Público como o operador da Máfia do Imposto Sobre Serviço (ISS) ‘rompeu com a confiança’ da 21.ª Vara Criminal da Barra Funda. Em decisão pela prisão preventiva de Magalhães, a juíza Luciene Jabur Mouchaloite Figueiredo afirma que a liberdade do ex-fiscal da Prefeitura de São Paulo ‘obstaculiza a administração judicial dos bens sequestrados’ pela Justiça.

O ex-fiscal foi preso na manhã desta terça, 27.

Documento

“Ficou evidenciada a conduta inusitada e altamente reprovável de Luís Alexandre, que afronta o ordamento jurídico, não respeita as decisões judiciais, não se arrepende e interfere na administração do patrimônio que a Justiça indisponibilizou”, escreveu a magistrada. “Rompeu a confiança com este juízo, que lhe permitiu que continuasse em liberdade, apesar de condenação em pena elevada.”

O fiscal já foi condenado, em primeira instância, a 43 anos de prisão. À época, seus bens foram congelados pela Justiça, mas o ex-fiscal ainda continuou utilizando imóveis, assinando contratos de locação e recebendo alugueres.