Romero Jucá – codinome Cajú – era devoto aos pleitos da Odebrecht e figura central do PMDB

Romero Jucá – codinome Cajú – era devoto aos pleitos da Odebrecht e figura central do PMDB

Claudio Melo Filho, principal interlocutor da empresa com o Congresso, afirmou à Lava Jato ter pago R$ 22 milhões para senador, que 'concentrava a arrecadação e distribuição dos recursos destinados ao partido'

Ricardo Brandt. Fausto Macedo, Julia Affonso, Luiz Vassallo, de São Paulo, e Beatriz Bulla e Fábio Serapião, de Brasília

13 Abril 2017 | 14h15

Romero Jucá. Foto: Estadão

Senador Romero Jucá (PMDB-RO). delatado pela Odebrecht. Foto: Estadão

O lobista da Odebrecht no Congresso Claudio Melo Filho detalhou à força-tarefa da Operação Lava Jato o papel central do senador Romero Jucá como representante do PMDB na distribuição de recursos não contabilizados e detalhou sua ‘intensa agenda legislativa lidera e patrocinada’ em favor do grupo.

“Romero Jucá era o meu principal interlocutor no Congresso Nacional. O relevo da sua figura pode ser medido por dois fatos objetivos: a intensidade da sua devoção aos pleitos que era do nosso interesse e o elevado valor dos pagamentos financeiros que foram feitos ao senador ao longo dos anos”, detalhou Melo, em um de seus anexos de delação, entregues à Procuradoria Geral da República (PGR).

Claudio MELO ANEXO JUCA

CLAUDIO MELO ANEXO JUCA 2

CLAUDIO MELO ANEXO 3

Nesse anexo, o delator diz ter pago R$ 20 milhões para Jucá, líder do governo Michel Temer no Senado e presidente nacional do PMDB. e detalhou ainda as medidas provisórias, projetos e outros itens que tiveram atuação do senador em favor da Odebrecht.

“Pelo menos no que toca a Odebrecht, nos temas afetos a mim, a importância de Romero Jucá no PMDB transcendia a mera liderança política, pois ele concentrava a arrecadação e distribuição dos recursos destinados ao partido”, afirmou Melo Filho, um dos 78 delatores da Odebrecht.

Jucá, ao lado do presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), tem o maior número de inquéritos na Lista de Fachin, cinco cada.

Ele afirmou que está “a disposição” e ainda que criou-se uma “calúnia coletiva”. “O que está em xeque, o que está em discussão, o que está sendo passado a limpo, é o modelo politico”, disse afirmando que o partido “vai responder com toda tranquilidade” as investigações.

CLAUDIO MELO ANEXO JUCA 4

claudio melo anexo 5

O delator registrou em seu anexo que “ao longo dos anos que mantive interlocução com o senador Romero Jucá, participei de pagamentos a ele que hoje superam R$ 22 milhões. Como tive conhecimento, esses valores eram centralizados no senador Romero Jucá e posteriormente redistribuído dentro de seu grupo no PMDB”.

Segundo Jucá, o modelo era contatar empresas e pedir doações, sem saber a origem dos recursos, e que elas doavam “movidas por diversos interesses”, tudo dentro da legislação vigente. “Você não ia falar com a empresa e perguntar se o dinheiro era do lucro liquido legal da empresa ou é do lucro em cima de uma obra superfaturada? Alguém perguntou isso a uma empresa na história politica do Brasil? Não.”

No depoimento prestado aos procuradores da Lava Jato, Melo Filho detalhou ainda a atuação de Jucá em nome do senador Renan Calheiros (PMDB-AL), outro alvo das investigações abertas à partir da Lista de Fachin.