Rocha Loures é pessoa da estrita confiança de Vossa Excelência?, indaga PF a Temer

Rocha Loures é pessoa da estrita confiança de Vossa Excelência?, indaga PF a Temer

Delegado da Operação Patmos, desdobramento da Lava Jato, interroga presidente sobre seu relacionamento com o homem da mala estufada de propinas da JBS

Fausto Macedo, Fabio Serapião, Julia Affonso e Breno Pires

05 de junho de 2017 | 19h08

Michel Temer e Ricardo Rocha Loures. Foto: JBatista / Agencia Camara

Ao acuar o presidente Michel Temer (PMDB) com 84 perguntas, a Polícia Federal colocou sobre a mesa questionamentos relativos às relações do peemedebista com seu ex-assessor especial Rodrigo Rocha Loures, ex-deputado pelo PMDB do Paraná.

“Rodrigo Rocha Loures é pessoa da estrita confiança de Vossa Excelência?”, pergunta a PF.

Loures foi flagrado correndo por uma rua de São Paulo, em abril, carregando uma mala estufada de propinas da JBS – R$ 500 mil – divididos em 10 mil notas de R$ 50. Apontado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, como ‘verdadeiro longa manus’ de Temer, o ex-assessor está preso desde sábado, 3, em Brasília, por ordem do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF).

+ Por que Vossa Excelência recebeu ‘conhecido falastrão’ em sua residência?, questiona PF a Temer

+ Fachin afasta tese de ilegalidade do áudio Joesley-Temer

+ Explique por que não advertiu Joesley

Os delegados federais Thiago Machado Delabary e Marlon Cajado Oliveira dos Santos insistiram no relacionamento do presidente com o prisioneiro.

O policial quer saber desde quando Temer conhece o homem da mala. Outra indagação se refere a uma doação que o presidente teria feito a Rocha Loures.

OUÇA TEMER E JOESLEY

O delegado pergunta a Temer se ele confirma uma doação de R$ 200 mil à campanha de seu aliado à Câmara. “Quais os motivos dessa doação?”

As indagações fazem parte do inquérito da Operação Patmos, que mira Temer e Loures por corrupção passiva e obstrução de Justiça. Os investigadores suspeitam que o presidente escalou seu ex-assessor como interlocutor com a JBS para tratar dos interesses do grupo em seu governo.

Falastrão. A Polícia Federal também questionou o presidente sobre as razões que o levaram a receber no Palácio do Jaburu, na noite de 7 de março, o empresário Joesley Batista, da JBS – a quem o próprio Temer, em declaração pública, classificou de ‘conhecido falastrão’.

Dias depois do estouro da Operação Patmos, em que veio a público o áudio da conversa que teve com Joesley, o presidente declarou publicamente que seu visitante no Jaburu ‘é um conhecido falastrão’. O presidente afirmou que o áudio foi ‘manipulado, adulterado’.

No questionamento ao presidente, a PF indaga ‘qual o motivo, então, para tê-lo (Joesley) recebido em sua residência, em horário não usual, em compromisso extraoficial e sem que o empresário tivesse sido devidamente cadastrado quando ingressou às instalações do Palácio’.

Judiciário. Entre as 84 perguntas feitas a Michel Temer, a Polícia Federal questiona o presidente sobre um capítulo importante da crise na qual o peemedebista mergulhou – os assuntos tratados na reunião com o empresário Joesley Batista, da JBS, na noite de 7 de março, no Palácio do Jaburu.

Naquele encontro, o executivo narrou a Temer uma sucessão de crimes como o pagamento de mesada de R$ 50 mil para o procurador da República Ângelo Goulart e contribuição financeira a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em troca do silêncio do ex-presidente da Câmara, preso desde outubro de 2016 na Lava Jato.

Joesley também disse ao presidente que estava ‘segurando dois juízes’. A conversa foi gravada pelo empresário, sem que Temer soubesse.

“Por qual razão não levou ao conhecimento de autoridades a ilícita ingerência na prestação jurisdicional e na atuação do Ministério Público que lhe fora narrada por Joesley Batista?”, indagou a PF.

O delegado federal Thiago Machado Delabary quer saber do presidente se ele percebeu ‘alguma ilicitude’ de Joesley.

Os investigadores consideram que o presidente deveria ter tomado providências imediatas ao ser comunicado de crimes por Joesley. Este é o ponto central do pedido de impeachment de Temer levado à Câmara pela Ordem dos Advogados do Brasil.

Área econômica. Na parte final do interrogatório, a Polícia Federal investiu na área econômica do Governo. Os delegados federais fizeram questionamentos ao presidente sobre o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e sobre o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), cuja presidente Maria Silvia Bastos Marques pediu exoneração em meio à crise política.

Os policiais se referem a um trecho do diálogo do empresário Joesley Batista, da JBS, com o presidente no Palácio do Jaburu na noite de 7 de março. A conversa foi gravada pelo executivo. Nela, Joesley defendeu a necessidade de um ‘alinhamento’ com o ministro da Fazenda. “Qual o sentido da expressão alinhamento?”, indagou a PF.

Os delegados perguntaram ainda se Temer autorizou o empresário a apresentar ‘pontos de interesse’ a Henrique Meirelles e quais seriam esses pontos.

Em outro trecho da conversa, o executivo da JBS fez menção a uma operação do BNDES e supostamente faz referência à ex-presidente do Banco. Os delegados consideram que Temer demonstrou ter conhecimento da operação e o questionam se fez alguma solicitação a ‘ela’.

Eduardo Cunha. O ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ) – condenado a 15 anos e 4 meses de prisão na Operação Lava Jato – foi alvo de uma parte do extenso questionário com 84 perguntas da Polícia Federal ao presidente Michel Temer. Os delegados federais questionam Temer sobre o sentido da frase ‘tem que manter isso’.

A enigmática frase foi dita por Temer em conversa com o empresário Joesley Batista, da JBS. No meio do diálogo, gravado pelo executivo, na noite de 7 de março, no Palácio do Jaburu, o presidente aconselhou Joesley: “Tem que manter isso, viu?”

Temer acabara de ouvir de seu interlocutor um relato sobre Eduardo Cunha, preso desde outubro de 2016 na Operação Lava Jato.

Para a Procuradoria-Geral da República, Temer e Joesley trataram de uma suposta ajuda financeira a Eduardo Cunha em troca do silêncio do ex-presidente da Câmara.

Os policiais foram taxativos. Pediram a Temer que explique o contexto dos termos ‘Tem que manter isso’.

A PF quer saber ainda sobre outro trecho da conversa de Temer com Joesley que trata de Eduardo Cunha. Naquela noite, no Jaburu, o presidente disse ao empresário que Eduardo Cunha havia resolvido fustigá-lo.

Joesley afirmou em seguida que havia ‘zerado as pendências’. Os delegados questionaram o presidente sobre quais ‘pendências’ se referiu Joesley.

Os policiais perguntaram ainda a Temer se ele ‘tem conhecimento de alguma ilegalidade cometida por Eduardo Cunha’.

Delação. A Polícia Federal quer saber do presidente Michel Temer (PMDB) se o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o doleiro Lucio Funaro podem revelar ‘algum fato objetivo’ sobre ele em eventual acordo de delação premiada.

Os delegados perguntam a Temer se ele confirma ter recebido de Joesley a informação de que o empresário estaria mantendo financeiramente as famílias de Funaro e Cunha.

A PF cita um aliado importante de Temer, o ex-ministro Geddel Vieira Lima. Os delegados questionam o presidente se ele sabe de ‘algum fato objetivo’ sobre Geddel que possa ser revelado em delação de Cunha ou de Funaro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: