Riva delator diz que presidente do Tribunal de Contas de Mato Grosso usou assessores para receber R$5,1 milhões em ‘mensalão’

Riva delator diz que presidente do Tribunal de Contas de Mato Grosso usou assessores para receber R$5,1 milhões em ‘mensalão’

Ex-presidente da Assembleia Legislativa, hoje réu em ações criminais e por improbidade, aponta que Guilherme Maluf fraudou contratações da Casa e usou funcionários de gabinete enquanto foi deputado, entre 2007 e 2015, como intermediários de pagamentos; ex-deputado nega as acusações

Rayssa Motta, Pepita Ortega e Fausto Macedo

14 de setembro de 2020 | 13h53

Em novos trechos de sua delação premiada (assista abaixo), o ex-presidente da Assembleia Legislativa de Mato GrossoJosé Geraldo Riva, réu em ações criminais e por improbidade, detalha as estratégias supostamente usadas pelo ex-deputado e atual presidente do Tribunal de Contas do Estado, Guilherme Maluf, para receber cerca de R$5,1 milhões em propinas do Executivo entre 2007 e 2015. O ‘mensalão’ mato-grossense é investigado pelo Ministério Público Federal.

Segundo o delator, enquanto foi deputado, Guilherme Maluf usou dois assessores parlamentares, Leonardo Sotire Epaminondas e Odenil Rodrigues de Almeida, como intermediários dos pagamentos. Este último teria apurado, diretamente em sua conta pessoal, um depósito de R$ 50 mil feito pelo próprio delator – transferência identificada anteriormente na Operação Ventríloquo.

“Uma questão em relação ao deputado Guilherme é que ele recebia também através do Odenil Rodrigues de Almeida, e, muitas vezes, os valores eram entregues em dinheiro ou em cheque – a maior parte em dinheiro – ao Leonardo Sotire Epaminondas e ao próprio Odenil Rodrigues de Almeida”, relatou Riva em delação gravada.

Guilherme Antonio Maluf. Foto: Acervo pessoal

Outra estratégia usada pelo então deputado Guilherme Maluf, segundo afirma o delator, seria fraudar contratações firmadas pela Assembleia Legislativa. Isso porque a propina, a partir da gestão do governador Blairo Maggi (PP/2003-2010), teria passado a ser creditada mediante suplementação orçamentária da Casa. Neste novo modelo, notas fiscais falsas ou superfaturadas eram emitidas por empresas que devolviam parte da receita recebida aos parlamentares.

“Para o recebimento desses valores, o deputado Guilherme atestou falsamente o recebimento de materiais e serviços que não foram prestados, para conferir suporte a esses pagamentos”, afirma o delator.

Segundo Riva, o presidente do Tribunal de Contas recebeu propina mensal durante duas legislaturas, entre 2007 e 2015. Na primeira legislatura recebeu R$ 30 mil por mês e, na segunda, R$ 50 mil, afirma.

Além disso, o ex-deputado também teria recebido pela venda de votos para quatro eleições da Mesa Diretora da Assembleia, em 2007 (R$ 250 mil), 2009 (R$ 300 a 350 mil), 2011 (R$ 400 mil) e 2013 (R$ 800 mil).

 

COM A PALAVRA, GUILHERME MALUF
O presidente do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT), conselheiro Guilherme Antonio Maluf, nega de forma veemente as acusações fantasiosas feitas pelo delator e réu confesso, que tenta ludibriar a Justiça e a sociedade em troca de redução de pena.

O conselheiro afirmou que em quase duas décadas de carreira política, não participou e nem autorizou que qualquer pessoa usasse seu nome em atividades ilegais.

Maluf reafirma que confia na Justiça e tem a certeza de que o ao final do processo sua inocência ficará comprovada.

COM A PALAVRA, O EX-GOVERNADOR BLAGIO MAGGI
Sobre a repercussão da delação do ex-deputado José Riva, o ex-governador Blairo Maggi afirma que encerrou seus 8 anos de Governo com 92% de aprovação popular, pois, sua gestão pautou-se na eficiência e transparência. Nunca houve compra de apoio político por parte do Executivo, e por isso, Maggi jamais pactuou com quaisquer irregularidades.

A versão apresentada pelo criminoso delator não se sustenta, pois basta comparar os orçamentos anteriores com os executados durante a gestão e concluir que: houve significativa redução dos repasses! São números, documentos e não ilações! Assim, são absurdas as afirmações do delator. Maggi afirma que tomará todas as medidas cabíveis contra acusações infundadas como essa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: