Revelações do executivo da Camargo Corrêa sobre ‘compromisso’ com Lobão

Revelações do executivo da Camargo Corrêa sobre ‘compromisso’ com Lobão

Gustavo da Costa Marques depôs em outubro na PF em Porto Alegre, admitiu ter ocultado informações para seguir 'versão estabelecida' pela empreiteira e relatou detalhes de um encontro, em 2011, na residência do então ministro de Minas e Energia do governo Dilma para tratarem de propinas milionárias

Fábio Fabrini, de Brasília

18 de novembro de 2016 | 11h48

depoimentogustavomarques

Em depoimento prestado no mês passado à Polícia Federal, o ex-gerente de Relações Institucionais da Camargo Corrêa Gustavo da Costa Marques afirmou ter omitido informações da Operação Lava Jato para seguir “versão estabelecida” pela empreiteira. Ao retificar as declarações, o executivo disse ter escondido dos investigadores a participação de um empresário, apontado como operador do PMDB, no esquema de corrupção nas obras da usina de Belo Monte. Além disso, acrescentou ter pago propina em dinheiro vivo ao senador peemedebista Edison Lobão (MA), que na época era ministro de Minas e Energia do governo Dilma Rousseff.

DOCUMENTO:

Segundo Costa Marques, durante encontro na residência de Lobão, em Brasília, o então ministro lhe disse sobre um ‘compromisso’ da Camargo Corrêa. Tal ‘compromisso’, segundo o executivo, se referia ao pagamento de quantias que oscilavam entre R$ 1 milhão e R$ 2 milhões.

Notícias relacionadas

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoPMDBEdison Lobão

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.