Renato Duque pede para ser interrogado de novo por Moro

Renato Duque pede para ser interrogado de novo por Moro

Ex-diretor de Serviços da Petrobrás afirmou em ofício que 'pretende exercer o direito de colaborar com a Justiça'

Julia Affonso, Ricardo Brandt, Luiz Vassallo e Fausto Macedo

27 de abril de 2017 | 15h14

O ex-diretor da Petrobrás Renato Duque. Foto: Reprodução

O ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque quer ser interrogado novamente pelo juiz federal Sérgio Moro. Nesta quinta-feira, 27, a defesa de Renato Duque enviou um ofício a Moro na ação penal sobre irregularidades na obtenção, pela empreiteira Odebrecht, de contratos de afretamento de sondas com a Petrobrás.

“O ora acusado de forma espontânea e sem quaisquer reservas mentais, pretende exercer o direito de colaborar com a Justiça nos termos do artigo 1º parágrafo Sº da Lei 9.613/98, para tanto requer seja ·designado por V.Exª. data para que seja submetido a novo interrogatório. Tal pretensão do acusado é fe ita livre de qualquer coação física ou mental, e representa seu desejo de colaborar com as autoridades na elucidação dos fatos ora investigados”, escreveu a defesa a Moro.

Documento

Renato Duque havia sido interrogado em 17 de abril deste ano. Na ocasião, o ex-diretor ficou em silêncio.

Nesta ação, além de Renato Duque, também são réus o ex-ministro Antonio Palocci (Fazenda e Casa Civil/Governos Lula e Dilma), o empreiteiro Marcelo Odebrecht e outros 12 investigados.

Segundo a denúncia, entre 2006 e 2015, Palocci estabeleceu com altos executivos da Odebrecht ‘um amplo e permanente esquema de corrupção’ destinado a assegurar o atendimento aos interesses do grupo empresarial na alta cúpula do governo federal.

O Ministério Público Federal aponta que no exercício dos cargos de deputado federal, ministro da Casa Civil e membro do Conselho de Administração da Petrobrás, Palocci interferiu para que o edital de licitação lançado pela estatal e destinado à contratação de 21 sondas fosse formulado e publicado de forma a garantir que a Odebrecht não obtivesse apenas os contratos, mas que também firmasse tais contratos com margem de lucro pretendida.

Duque está preso desde março de 2015 na Lava Jato. O ex-diretor está condenado a mais de 50 anos de prisão, em três processos, como braço do PT no esquema de cartel e corrupção instalado na Petrobrás.

No esquema alvo da Lava Jato, diretores indicados e sustentados nos cargos por partidos, em especial PT, PMDB e PP, tinham orientação expressa de seus “padrinhos políticos” para “ajudarem” as legendas com obtenção de recursos de empresas contratadas pela estatal.

Em agosto do ano passado, Duque havia retomado as negociações para um acordo de colaboração premiada com o Ministério Público Federal. O braço direito de Duque na estatal, Pedro Barusco, confessou em delação, fechada em 2015, que o PT teria recebido em dez anos mais de R$ 100 milhões em propinas, segundo suas estimativas, via Diretoria de Serviços.

Tudo o que sabemos sobre:

operação Lava JatoRenato Duque

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.