Relatório põe ‘indivíduo Desirre’, aliado de Temer, em operação suspeita de R$ 50 milhões da Caixa

Relatório põe ‘indivíduo Desirre’, aliado de Temer, em operação suspeita de R$ 50 milhões da Caixa

Documento da Operação Cui Bono?, deflagrada nesta sexta 13, cita Roberto Derziê de Sant'Anna, indicação do presidente da República para a vice-presidência de Governo do banco

Fábio Fabrini, de Brasília, e Julia Affonso

13 de janeiro de 2017 | 16h33

08/03/2016 - Roberto Derziê Sant'Anna. Foto: Luiz Prado / Agência Luz

08/03/2016 – Roberto Derziê Sant’Anna.
Foto: Luiz Prado / Agência Luz

Relatório da Operação Cui Bono? (A quem beneficia?), deflagrada nesta sexta 13, cita o atual vice-presidente de Governo da Caixa, Roberto Derziê de Sant’Anna, aliado do presidente Michel Temer, como envolvido no esquema de corrupção que teria predominado no banco público sob comando do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e do ex-ministro Geddel Vieira Lima, ambos do PMDB.

Na análise de mensagens recuperadas de um celular encontrado na residência de Cunha, durante a Operação Catilinária, os investigadores encontraram menção a “Desirre”, codinome atribuído a Derziê.
Conforme a PF, Cunha e Geddel mencionam o aliado de Temer como um dos servidores da Caixa que ajudariam a liberar R$ 50 milhões para empresas do Grupo Constantino. A operação renderia propinas ao grupo investigado.

Na época dos diálogos, em 2012, Derziê era diretor-executivo de Pessoa Jurídica da Caixa. Depois de exercer essa função, foi nomeado secretário-executivo da Secretaria de Relações Institucionais (SRI), em 2015, no período em que Temer, ainda como vice-presidente, assumiu a pasta, responsável pela articulação política com o Congresso.

Derziê deixou a função para ocupar a vice-presidência de Riscos da Caixa, mas foi exonerado em abril de 2016 pela então presidente Dilma Rousseff, em reação à adesão de Temer e do PMDB ao impeachment. Em dezembro passado, o governo do atual presidente o reincorporou à cúpula do banco. Na época, a nomeação chegou a ser questionada, nos bastidores, diante de rumores de que Derziê era citado em investigações.

Nas mensagens, Cunha e Geddel tratam de pendências para a liberação dos R$ 50 milhões à Oeste Sul Empreendimentos Imobiliários e à Comporte Participações, empresas do Grupo Constantino, do empresário Henrique Constantino.

“Oeste Sul, o desirre não atende o Henrique e não resolve”, escreveu Cunha, em 3 de outubro de 2012, ao que Geddel respondeu: “Está em São Paulo. Vai ligar (sic) para ele agora. Mas ainda é aquela questão das garantias”. Cunha prosseguiu: “E mas (sic) para resolver como vc falou”. “Ele vai ligar p Henrique agora. Já tou vendo Marfrig”, escreveu Geddel.

Ao analisar as mensagens, a PF concluiu: “Depreende-se que Eduardo Cunha estaria informando Geddel que o empresário Henrique Constantino não estaria conseguindo comunicação com Roberto Derziê de Sant’Anna, diretor-executivo de Pessoa Jurídica da CEF”. Os investigadores registram ainda: “Logo em seguida, Geddel reporta a Eduardo Cunha que Derziê já ligou para ‘HC’ (Henrique Constantino) e verifica se o assunto se trata de R$ 50 milhões”.

COM A PALAVRA, A SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO DA PRESIDÊNCIA

A Secretaria de Comunicação da Presidência informou que Roberto Derziê de Sant’Anna foi indicado ao cargo de secretário-executivo da Secretaria de Relações Institucionais, durante a gestão de Temer, por Geddel Vieira Lima, que tinha com ele uma boa relação e o “elogiava”. Conforme a secretaria, a única ligação do presidente com ele foi a profissional, naquele período.

COM A PALAVRA, A CAIXA

Alvo da Polícia Federal, que fez buscas no edifício-sede da instituição, em Brasília, a Caixa informou, em nota, que ‘presta irrestrita colaboração com as investigações’.

“Em relação à Operação da Polícia Federal realizada nesta sexta-feira (13 de janeiro) e no que diz respeito à CAIXA, esclarecemos que o banco está em contato permanente com as autoridades, prestando irrestrita colaboração com as investigações, procedimento que continuará sendo adotado pela CAIXA.”

COM A PALAVRA, A J&F

“Todas as relações da J&F e de suas empresas com a Caixa Econômica Federal e com bancos públicos em geral são feitas sempre de forma profissional e na mesma forma de concorrência e tratamento com instituições privadas — ou seja, relações comerciais transparentes, abertas e legais.
A J&F tem o máximo interesse no esclarecimento de todos os fatos que por vezes colocam em dúvida a transparência e lisura de seus negócios. Pois, afinal, tais acusações provocam imensos danos às nossas marcas e reputação.”

Sobre o diálogo entre Geddel Vieira Lima e Eduardo Cunha a J&F esclarece que:

Dado que a Companhia nunca procurou os políticos para pedir facilidade ou intermediação em quaisquer de suas operações financeiras, causam estranheza o conteúdo exposto na conversa e o imenso interesse de ambos em interferir nas relações entre a Caixa Econômica Federal e a J&F. Sendo assim, a Companhia considera fundamental que as autoridades deem celeridade para o completo esclarecimento dos fatos.”

COM A PALAVRA, A JBS

“A JBS informa que não foi alvo da operação Cui Bono? realizada hoje pela Polícia Federal e não foi notificada sobre a decisão judicial referente à essa operação. A empresa pauta suas relações na ética e profissionalismo e tem convicção da regularidade das suas práticas. A Companhia ressalta ainda que sempre atuou de forma transparente e todas as suas atividades são realizadas dentro da legalidade.”

COM A PALAVRA, A MARFRIG

“Diante das notícias veiculadas hoje pela imprensa, a Marfrig informa que não foi alvo de qualquer medida da Polícia Federal, que a Caixa Econômica Federal ou qualquer um de seus fundos não são acionistas relevantes da Companhia e esclarece que as operações com tal instituição financeira sempre foram feitas em condições de mercado, com custos equivalentes aos dos bancos privados, com garantias reais e sem qualquer tipo de privilégio. Ainda informa que todas as operações contratadas durante o período apurado nas investigações (2011-2013) foram devidamente liquidadas no prazo e condições, não restando em relação a estas quaisquer débitos em aberto.”

COM A PALAVRA, A OESTE SUL E A BR VIAS

“A Oeste Sul informa que não recebeu notificação oficial sobre o assunto, mas está à disposição para qualquer esclarecimento.”

“A BR Vias reafirma que segue colaborando com as autoridades para o total esclarecimento dos fatos”.

Tudo o que sabemos sobre:

Operação Cui BonoGeddel Vieira Lima

Tendências: