Relatório da PF revela jantar ‘a pedido’ de Lula na casa de Odebrecht

Relatório da PF revela jantar ‘a pedido’ de Lula na casa de Odebrecht

Também foram convidados, em 2012, o ex-ministro Antonio Palocci, empresários, banqueiros, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e dois sindicalistas citados na Lava Jato

Redação

17 de julho de 2015 | 19h51

jantar

Por Ricardo Brandt, enviado especial a Curitiba, Julia Affonso e Fausto Macedo

Relatório de análise de mídia elaborado pela Polícia Federal revela os bastidores de um jantar em São Paulo, na residência do empresário Marcelo Odebrecht, presidente da maior empreiteira do País, em 28 de maio de 2012, do qual participou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Também foram convidados o ex-ministro Antonio Palocci (Casa Civil – Governo Dilma), empresários, banqueiros, o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e dois sindicalistas mencionados na Operação Lava Jato.

“Através da leitura das mensagens acerca deste evento foi possível inferir, grosso modo, que: a) O jantar foi realizado a pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, aponta o relatório da PF. “d) Foram enviadas mensagens individuais para cada um dos convidados por I.B.G.”

odebrecht-lula

Fotos: Estadão

A relação entre Lula e a construtora Odebrecht é alvo de um procedimento investigatório criminal (PIC) aberto pela Procuradoria da República no Distrito Federal. A suspeita é de que a empreiteira teria obtido vantagens com agentes públicos de outros países por meio de suposto tráfico de influência do petista, que deixou o Palácio do Planalto no fim de 2010. A Odebrecht nega ter sido favorecida. Lula não é investigado na Lava Jato.

jantar2

Na quinta-feira, 17, o Instituto Lula, criado pelo ex-presidente após sua saída da Presidência, classificou como ‘absolutamente irregular, intempestivo e injustificado’ a abertura do procedimento da Procuradoria da República. A entidade afirmou em nota que ‘serão tomadas as medidas cabíveis para corrigir essa arbitrariedade no âmbito do próprio Ministério Público, sem prejuízo de outras providências juridicamente cabíveis’.

jantar3

Nas buscas que realizou na casa do empreiteiro, na manhã de 19 de junho, durante a Erga Omnes, 14.ª etapa da Lava Jato, a PF apreendeu documentos, correspondências e mídias. Um HD que estava em um cofre no quarto de Marcelo Odebrecht armazenava troca de mensagens sobre o jantar. Uma delas dizia o motivo do encontro: a economia brasileira.

“Emílio e Marcelo Odebrecht têm o prazer de convidá-la para um jantar com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no qual será discutida a situação da economia brasileira face a conjuntura internacional”, diz o e-mail enviado pela presidência da Odebrecht para Juvandia Moreira Leite, presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, em 17 de maio de 2012.

“Confirmo a minha presença no jantar com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Saudações sindicais”, respondeu Juvandia Leite.

jantar4

imagemlistajantarodebrecht

Nesta sexta-feira, 17, o relatório de análise de mídia foi anexado aos autos da Lava Jato – Marcelo Odebrecht e pelo menos quatro ex-dirigentes da empreiteira são alvos de investigação por suspeita de corrupção e cartel nos contratos com a Petrobrás. No documento, a PF aponta para a presença de Juvandia Leite e Sergio Aparecido Nobre, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC.

“Os dois sindicalistas convidados para o evento são também sócios da Editora Gráfica Atitude, empresa apontada pelo empresário Augusto Ribeiro de Mendonça Neto como intermediária de pagamentos de propina destinados ao Partido dos Trabalhadores”, registra a PF.

Juvandia Leite e Sergio Nobre são administradores da Editora Gráfica Atitude. Segundo denúncia do Ministério Público Federal, uma parte da propina paga para o ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque na Diretoria de Serviços foi direcionada por empresas do grupo Setal Óleo e Gás, controlado por Augusto Mendonça – delator da Lava Jato – para a Editora Gráfica Atitude Ltda.

O pagamento teria sido feito a pedido do então tesoureiro do PT João Vaccari Neto. Os procuradores da força-tarefa sustentam que existem, ainda, “vários indicativos de ligação da Gráfica Atitude com o PT”.

A reportagem não consegui contato com Sergio Aparecido Nobre.

COM A PALAVRA, O INSTITUTO LULA

“É de conhecimento público que o ex-presidente Lula tem por hábito reunir pessoas de diversos segmentos da sociedade, empresários e trabalhadores, para debaterem a conjuntura nacional e ouvirem diferentes pontos de vista.”

COM A PALAVRA, A ODEBRECHT

“A Odebrecht S.A repudia mais uma vez o vazamento seletivo e malicioso de informações, que buscam cobrir de suspeitas até mesmo um evento absolutamente comum no meio empresarial e político. Tantos outros eventos como este acontecem cotidianamente e são divulgados nas colunas sociais, sem que se de um tratamento pejorativo ao fato. Como de praxe nestes eventos, tratam-se temas e agendas comuns entre empresários, líderes políticos e sindicalistas.”

COM A PALAVRA, O CRIMINALISTA JOSÉ ROBERTO BATOCHIO, ADVOGADO DO EX-MINISTRO ANTONIO PALOCCI

O criminalista José Roberto Batochio, que representa o ex-ministro Antonio Palocci (Casa Civil-governo Dilma), disse que um jantar na casa de um empresário da importância de Marcelo Odebrecht é “um fato social público”. “Em primeiro lugar, não sabemos se, de fato, esse jantar aconteceu. E mesmo que tenha ocorrido onde está a irregularidade? Tudo continua gravitando na base do quem sabe, na base do talvez, isso não é processo penal, é boato.”

“O ministro (Palocci) não pode comparecer a um evento com o maior empresário do Brasil? Isso não é normal? Ou a conjuntura econômica do Brasil é um tema que está proibido atualmente?”. Ao ser informado que sindicalistas participaram do jantar, Batochio disse. “Foi um evento plural, que não se conecta com nenhum dos fatos que estão sendo apurados.”

COM A PALAVRA, A PRESIDENTE DO SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE SÃO PAULO

A reportagem tentou contato com Juvandia Moreira Leite. Sua assessoria de imprensa informou que a sindicalista não foi encontrada.