Relatório da PF mostra evolução patrimonial de acusado de pagar propinas do caso Alstom

Relatório da PF mostra evolução patrimonial de acusado de pagar propinas do caso Alstom

Advogado informa que foi atribuído a Fagali apenas um erro na declaração de 2007 que resultou na multa de R$ 6 mil.

Redação

20 de outubro de 2013 | 13h29

por Fausto Macedo e Mateus Coutinho

Documento da PF, intitulado “Relatório de análise financeira”, mostra a evolução patrimonial de investigados do caso Alstom, entre eles, o ex-secretário dos Transportes do Estado de SP, em 1994 (governo Fleury Filho), o economista Jorge Fagali Neto, apontado como suposto pagador de propinas nos governos dos tucanos Mário Covas e Geraldo Alckmin, no fim dos anos 90 e início dos anos 2000.

O relatório, de 55 páginas, subscrito pela agente da Polícia Federal Anna Cristina Oliveira Correia é datado de 14 de março de 2012.

O advogado do ex-secretário, Belisário dos Santos Junior, repudia a informação de que Fagali atuou como operador do esquema Alstom. Segundo Belisário, o ex-secretário foi submetido a uma rigorosa fiscalização da receita federal que não identificou incompatibilidade entre rendimentos e os bens de Fagali.

O advogado informa que foi atribuído a Fagali apenas um erro na declaração de 2007 que resultou na multa de R$ 6 mil.

Confira a íntegra do documento

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Alstomcartel metrôPFpropina

Tendências: